Na responsabilidade de educar – Amor e Dor – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 30 Setembro 2014

2014 – 09 – 30 Setembro – Na responsabilidade de educar – Amor e Dor! – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas

 

Na responsabilidade de educar – Amor e Dor!

 

A

precio muito conversar com pessoas anônimas, com gente do povo, sem os cuidados de estarem conversando com um médico e menos ser uma conversa dirigida como consulta. Assim tenho feito por toda a existência. Estando em outras cidades, com as pessoas do ponto do ônibus ou do metrô e com os taxistas e outros motoristas profissionais. Esses são criaturas excepcionais para termos uma visão do local, da região e de sua gente. Já cozinhamos vários temas desses personagens em outras crônicas. Outro dia, em deslocamento de hotel para aeroporto com um motorista já idoso, falávamos um pouco de tudo – futebol, política, prédios pichados, congestionamentos de trânsito – quando ele veio com o tema da educação dos filhos e alusão à “lei da palmada”. Contou que foi caminhoneiro e viajou por todo o Brasil. Tiveram dois filhos, ele e a esposa. Enquanto falava, olhava-me pelo espelho retrovisor interno como se não bastassem as minhas respostas e considerações e precisa-se ver meu rosto. Isso também me oferecia uma visão, um panorama e detalhes da vida repartida naquele breve caminho.

 

Cr & Ag

 

Contava-me que um dos filhos fora tranquilo e maduro para sua idade, enquanto o outro forçava caminhos sombrios, com maus e péssimos amigos e companhias. Horas de conversas, orientações, exemplos da família e de outras pessoas e fazia por estender as paradas em casa para que o rapaz mudasse de trajetória. Nada parecia funcionar. Um dos amigos preferenciais do jovem era viciado em drogas e sabidamente ladrão. No retorno de uma das suas viagens, encostou o caminhão com um mau pressentimento e uma angústia no peito. Logo perguntou pelos filhos. Um estava em casa lendo ou estudando e o outro estava sumido. Saiu em desespero a procurá-lo. Encontrou-o com o mau amigo e haviam roubado dois cavalos.

 

Cr & Ag

 

Fez devolver os cavalos e levou-o para casa. Ali chegando, retirou a cinta da cintura e passou a sová-lo. Contando a surra, vi seus olhos marejarem de lágrimas e a face contorcida de dor. – Ele gritava que iria embora de casa. Disse-lhe que poderia ir, mas que não voltasse nunca mais, pois se não quisesse estudar e trabalhar como o irmão e toda a família, que só lhe servia conviver com viciados e ladrões, que ele não impedia. O rapaz foi para seu quarto e ele disse trancar-se no banheiro e chorar como nunca na sua vida. O tempo que se seguiu foi de muito sofrimento para todos. Num pequeno complemento, disse-lhe que dói muito mais em nós do que nos filhos qualquer puxão de orelha, mais ainda uma surra.

 

Cr & Ag

 

O rapaz continuou em casa. Começou a estudar com mais dedicação e pediu um trabalho. Ele conseguiu um serviço na empresa de um amigo com o detalhe de que ele pagava o salário, mas que o jovem nunca soubesse. Que achasse ser como qualquer dos outros empregados apesar de ser menor de idade. Conta com alegria que gostaria que os filhos seguissem outras profissões, mas que os dois eram caminhoneiros como ele foi. São homens de respeito, trabalhadores e bem quistos, bons esposos e melhores pais. Disse que o filho antes problemático conta para todos que a sova que o pai lhe deu lhe o trouxe à razão e tirou-o de uma vida que já estaria morto na droga e no crime se nela continuasse. Demonstrando para todos o reconhecimento ao pai. Fez uma analogia final: – certas porcas rodam com facilidade no parafuso, mas outras têm que lubrificar muito e usar várias ferramentas para dar o aperto certo.

Vivemos uma era muito ruim para nosso povo e nossa pátria. Os exemplos são escassos nos líderes e nas autoridades. A impunidade grassa virulentamente. A lei é de levar vantagem e não ter limites ou fronteiras. A mentira é institucional. Ser honesto é um “defeito” quando tantos são criminosos de todos os naipes e cores.

Orgulho e Vergonha – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 23 Setembro 2014

2014 – 09 – 23 SETEMBRO – Orgulho e Vergonha – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

Orgulho e vergonha

 

Q

uase tudo é uma questão de medida. O remédio tem a dose curativa e alguns até a dose fatal. Há também aquela dose que não fede nem cheira, sem qualquer efeito real. Assim são com nossas emoções e com nossos sentimentos. Devemos buscar o equilíbrio seja na balança da deusa Themis, ou nos sentimentos, ou na vida em qualquer cenário. O orgulho é visto com uma aureola pecaminosa, mas nem sempre deve ser assim. O orgulho é uma das manifestações mais humanas. Real e estimulante. Sentimos orgulho quando nosso time vence ou sagra-se campeão. Orgulhamo-nos de nossas origens, do pampa gaúcho e das nossas tradições. Orgulho aflora nas vitórias da pessoa, da família ou da pátria. O orgulho se verte em lágrimas e na voz embargada quando um Ayrton Senna ou um Pelé é vencedor e ali sentimos como sendo cada um de nós. O orgulho anabolizado, excessivo, exacerbado transmuta-se naquilo odiosamente entendido como soberba. A soberba embrutece o coração e ensombrece a alma de seu portador.

 

Cr & Ag

 

O orgulho é primário. A vergonha é secundária. Tanto no vocabulário a letra “o” antecede a letra “v” como na vida. Alguém acometido de vergonha dificilmente sentirá um orgulho pleno e sem culpa. A vergonha tende a espreitar os caminhos, evita exteriorizar-se à luz do dia, fica no subterrâneo existencial da alma. O torcedor dessa “pátria de chuteiras” evita sair com a camiseta do seu time após uma goleada ou outro resultado constrangedor. Vários até sonegam serem torcedores do time tal. Desviam do assunto futebol e embarcam em qualquer outra canoa menos furada que a sua.

 

Cr & Ag

 

 Proponho um singelo exercício – você tem uma pessoa muito íntima e descobre que ela é criminosa, igual aos outros criminosos. Continuará sentindo orgulho daquela criatura? Ou vergonha? Mesmo naqueles casos que a força do “amor” empurre-o para incontáveis justificativas para explicar, referendar ou atenuar seus crimes, qual seria a sua atitude? Agora se transfira para a política brasileira. Um brilhante advogado observou que certas siglas partidárias não mais ostentam no peito e empunham bandeiras com a graça e a liberdade orgulhosa de outros tempos. É uma realidade. Até o presente, políticos consagrados pelo voto e por seguidores de suas promessas não tem a mesma exposição. Teriam vergonha de suas legendas partidárias? Ou o orgulho em alto e notável sonoridade ao dizer-se “sou de tal partido”. Onde estão? “Tão tudo mocozado por aí!” – entrega um conhecido mecânico.

 

Cr & Ag

 

 Getúlio Vargas, Juscelino, Jango, Brizola, os presidentes da ditadura militar e muitos outros trazem a marca da simpatia ou da antipatia por seu governo ou ideologia, nunca pela honestidade e do maremoto de escândalos e de corrupção. Tudo que fizeram, fazem e farão em prol do socialismo/comunismo no Brasil e nada do gênero descoberto e provado com os presidentes da ditadura. Realidade. Governos que privilegiam a desonestidade, que premiam a criminalidade e castigam o brasileiro e a brasileira que entregaram vidas de trabalho e contribuições para a previdência oficial. Esses brasileiros têm seus desmilinguidos proventos de aposentadoria diminuir ano a ano além de ser extorquido pelo “fator previdenciário” no ato funesto de aposentar-se. Para muitos é impraticável retirar a cangalha do pescoço. Vários pela ideologia, outros pelos cargos de confiança ou aboletados pelo poder. Infelizmente nem todos sentem o odor fétido do seu mau hálito, do chulé ou da bunda suja apesar de transformarem a vida dos outros a sua volta num inferno. Quem negocia e pactua com coisa-ruim cheira a enxofre. Há que acredite que pactuar com o diabo ou aceitar suas regras é “normal, todos fazem, ou vale pela governabilidade”.

Entre San Juan e Mendoza – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 16 Setembro 2014

2014 – 09 – 16 SETEMBRO – “Entre San Juan e Mendoza” – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

 

Entre San Juan e Mendoza

 

S

into-me um privilegiado por muitas coisas, mas especialmente por desfrutar de tempo para conviver com meus netos. São três. Dois residem em Roraima. E o Lucas está aqui residindo no apartamento ao lado. Estamos na transição do encantamento pela tecnologia que mistura deslumbramento pelas suas infinitas possibilidades como pelo sufocamento da imersão em bytes e redes sociais. Assim as pessoas pouco conversam dentro e fora dos lares. Até as necessidades profissionais sucedem-se em reuniões virtuais. Grandes telas iluminadas pelos cômodos das casas e nas paredes de restaurantes, bares ou qualquer local de convivência captam e mesmerizam a atenção. Pais que se “aliviam” de conviver com os filhos permitem o uso e abuso dos jogos eletrônicos enquanto escapam da aspereza diária da vida e dos relacionamentos e transferem para alguma hora ou dia incerto as suas responsabilidades e deveres inalienáveis da paternidade.

 

Cr & Ag

 

O cronista ao ser lido e digerido intelectualmente pelos leitores permite-se ingressar nas suas “linhas do tempo”, aproveitando o gancho do “face”. A leitura extensiva até de escassa quilometragem como uma singela crônica é raramente efetuada. Testes revelam que os assíduos frequentadores das redes deliciam-se mais por imagens ou curtíssimas frases – muitas simplórias – do que pelo esforço humano da leitura seguida de raciocínio, discussão interna e externa e do entendimento. Felizmente muitos de nós carregamos nos “discos rígidos” ou nos escaninhos do amor transmitido principalmente pelos pais e irmãos as frases, estórias, relatos diversos, contos, episódios, experiências e uma infinidade de recordações conscientes e inconscientes que perfazem e constituem aquilo que somos ou que deixamos de ser.

 

Cr & Ag

 

A frase título “entre San Juan e Mendoza” era usada pelo meu pai Aldo para significar a indecisão. A hesitação em optar entre alguma coisa. Eu construí uma estória em que imaginava um padre que cuidava dos seus fieis em duas cidades, San Juan e Mendoza. Uma cidade torcia pelo Grêmio e outra para o Internacional. Rivais. Não se afinavam. E o padre ali como algodão entre cristais. Eis que o padre resolveu fazer uma capela, uma igreja exatamente no meio do caminho, assim obrigando a que todos viessem aos cultos e cerimônias, misturando-se. Logo deixariam parcialmente a rivalidade, pois os vínculos afetivos iriam se intrometer e acalmar a fúria e o ódio separatório. E gremistas e colorados casariam entre si e seus filhos…

 

Cr & Ag

 

Está se lambendo e espumando nos cantos da boca, sossegue um pouco.  Não enveredarei pela disputa eleitoral e o San Juan e Mendoza de cada eleitor do Brasil espoliado por mentirosos de plantão e gatunos… A construção dessas personalidades familiares e sociais, que somos direta ou indiretamente responsáveis, trilha o caminho que a humanidade perfaz desde tempos imemoriais. Inclusive antes das cavernas onde os sons guturais já tinham um significado e uma intenção. Trazemos cargas genéticas e espirituais que vêm para serem buriladas, aperfeiçoadas, iluminadas. Responsabilidade. Tarefa vital. Chamemos ou interpretemos com palavras, gestos, atitudes e finalmente a pergunta: – que pessoas deixaremos para a humanidade e para o planeta? Estendendo: – que mundo deixaremos para os nossos descendentes?

 

 

 

 

De mal com a vida – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 09 Setembro 2014

2014 – 09 – 09 Setembro – De mal com a vida – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

De mal com a vida

 

A riqueza de uma língua não está nas ervilhas do vocabulário, mas na profusão criativa de termos que adornam e aperfeiçoam os significados e expressam o íntimo e as necessidades das pessoas. Num certo restaurante, aguardava à fila para pagar a conta do almoço. Uma distinta senhora a minha frente dirigiu-se para a idosa de cabelos mal oxigenados e com a cara de réu e disse-lhe: – Venho ao seu restaurante a algum tempo e quero elogiar o bufê e o atendimento, além do maior cuidado com os pratos. A idosa de cabelos tubianos como cavalo de índio, olhou-lhe com cara de poucos e escassos amigos e sequer um “muito obrigado” saiu de seus lábios. A distinta senhora, já com seus familiares, contou o fato. Um atribuiu como grossura e outro acompanhante como ela está de mal com a vida.

 

Cr & Ag

 

Todos temos aqueles dias que levantamos de pé trocado ou que o azedume, até por causas inconscientes, arruína a jornada diária na proporção da capacidade e habilidade de cada um em não levar para seu ambiente de trabalho ou para o trato com as outras pessoas as suas broncas e desajustes. Muitos conseguem. Outros infelizmente não. Um certo médico era famoso por suas luas. “Ele é de lua, mas é um bom médico!” – diziam pacientes muito pacientes. Se me entendem. Uma funcionária do Bloco Cirúrgico afetada pelo humor agressivo do colega, sussurrou para outra funcionária: – Anda descornado! – de um jeito ou de outro a cadeia ou a corrente negativa já atingiu outra pessoa. Quem?

 

Cr & Ag

 

Dormir com os pés destapados ou para fora da cama também extradita a situação salobra. Essas situações são frequentes quando a condição da azeda, amarga criatura ou de maus bofes é de superioridade hierárquica ou de poder e mando sobre os demais. E muitos desses demais tornam-se suas vítimas eventuais ou de rotina. Ninguém suporta os reclamões ou o mau humor refratário. Sintam que certas correntes ideológicas, já que estamos em época eleitoral, e segmentos profissionais são de características as dores e os sofrimentos que sempre são causados pelos outros – eximem-se da culpa! – atrapalham e emperram as suas existências e da sociedade. Trazem o ateísmo nos corações de aço, pois rejeitam um mundo ou uma sociedade com patrões e empregados. Quem rejeita patrão, logo rejeita Deus, o maior de todos os patrões?

 

Cr & Ag

 

Há criaturas que se aprazem de transferir o fel de suas veias e contaminar o mundo com sua virulência sempre exigindo dos outros o cumprimento de suas responsabilidades e deveres e descontentes com a lei para todos. São cronicamente “perseguidos”, principalmente por sua personalidade deletéria e o assédio do lado negro da força. Sim! São criaturas que o tempo está nublado ou tormentoso a sua volta e geralmente com pouca sorte na vida ou explorados por alguém ou pelo sistema. A enfermidade ou a doença mental de alguns jamais servirá de desculpa absoluta.

 

Cr & Ag

 

Se está de fiofó azedo, que vá adoça-lo! Se o motivo está no sexo, trate-se. Se a causa é ideológica, amadureça ou espere renascer. Sempre será ruim pagar as contas dos outros, seja pelo estado de mal com a vida, seja por supostas dívidas de ancestrais desde o descobrimento do Brasil-zil- zil que nos imputam como responsáveis, das diferenças sociais dos vagabundos convictos ou de quem nunca fez realmente por merecer.

As cores da alma – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 02 Setembro 2014

2014 – 09 – 02 Setembro – As cores da alma – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

 

As cores da alma

 

M

uitos anseiam em acreditar, usar e mobilizar-se pelo pensamento positivo, pela irradiação de boas ideias e de energias que trarão mais luz, alívio, cura e harmonia. Em todas as terapias ensinam-se ou motivam-se aos pacientes e principalmente aos impacientes. No entanto, muitos se negam a aceitar que forças contrárias de tamanho e intensidade semelhante ou até maiores são mobilizadas de forma hostil consciente ou inconscientemente. Aqui nesse teatro da vida expõe-se o chamado olho grande ou olho gordo. Muda-se o nome, persiste o mal. Não precisamos acreditar ou ter fé para que energias invisíveis aos nossos sentidos imediatos estejam ocorrendo. Você está usando seu telefone ou smartphone e recebendo mensagens ou observando uma infinidade de coisas e fatos que parecem magia, feitiçaria ou milagre. Não muito tempo atrás era impensável para muitos que agora se deleitam nas redes sociais. Mas você não vê nenhuma alteração no ar ou no espaço a sua volta para que tal aconteça e esteja disponível.

 

Cr & Ag

 

Há pessoas que carregam algum tipo de energia positiva que outros se sentem bem estando com elas. O contrário é verdadeiro. Há pessoas que visitam tua casa e o cão adoece, as plantas murcham, aparelhos elétricos queimam e segue o cortejo. Há pessoas que conversam contigo ou estão juntos e te sentes sonolento, cansado, deprimido ou nauseado. Ou dores de cabeça. Muitas vezes custa-se a perceber-se a origem dos males e pode-se custar mais ainda para aceitar a sua origem. E nem é preciso a criatura estar presente para sua energia canalizar-se em algum malefício. Há pessoas que tem tais aptidões ou propriedades e que gostam de as possuir, mas outros afastam-se para não causar mal.

 

Cr & Ag

 

Faz pouco tempo e de forma muito moderada tenho usado ou visitados as redes sociais especialmente para publicar meus textos ou colunas e algumas imagens. Observo pessoas que fazem enorme exposição de suas vidas cotidianas para um universo de luz e sombra. Expõe sua pessoalidade e sua intimidade num grau crescente e compulsivo, tanto de banalidades como de fatos e situações que mereceriam resguardo. Há quem fique permanentemente conectado numa vida virtual sua e dos outros, muitos num voyeurismo sem limites ou fronteiras com o guru de bolso dando sinal a toda hora. Algumas pessoas não fazem as refeições sem estarem livres do guruphone, outras até na hora (minutos) do sexo estão com os sentidos divididos.

 

Cr & Ag

 

É muito comum nas salas de espera dos consultórios, as criaturas que necessitam da audiência para contar suas dores, enfermidades, sofrimentos ou suas alegrias e o resumo da família e da vida. Há plateia sedenta disso. Como num acidente de trânsito ou num incêndio, por exemplo, reúnem-se pessoas, até atrapalhando o atendimento aos feridos, para observar, curtir de alguma forma o ocorrido. Colhe-se aquilo que se semeia, mas com a influência ou interferência até do sobrenatural de almeida. Cuidado!

Vai faltar defunto – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 26 Agosto 2014

2014 – 08 – 26 Agosto – Vai faltar defunto – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

 

Vai faltar defunto

 

Todos são amigos. Todos conviveram com o pernambucano Eduardo Campos tragicamente falecido. Todos compartilham de suas ideias e de seus ideais. E por aí segue o cortejo da falsidade e da entronização da canalhice. O tricolor porto-alegrense venderá sucatas de seu finado gramado e estádio de futebol – uma suposta relíquia que renderá milhares de reais ao clube. Imaginem, com essa onda de lotear, rifar e leiloar pela internet qualquer coisa se fizesse o mesmo com os despojos de importantes e significativas pessoas? É do contexto que morto é pessoa dotada das qualidades luminosas e até da ausência dos piores defeitos nesse BraZil de criminosos idolatrados, daí vem o uso de seus nomes em estradas, aeroportos e assemelhados.

 

Cr & Ag

 

E vai piorar, pois essa enfermidade ética, essas distorções morais estão expressas naquele mesmo manual de que “tudo vale na política e no amor”. Amor ao poder, certamente. É o manual da governabilidade e do toma lá e dá cá, recheado de ministérios e secretarias na pérfida orquestração do poder a qualquer preço e condição. E vai piorar a medida que os dias encurtam o prazo do voto na urna suspeita. Suspeita? Imagine, temos o mais perfeito sistema de votação do planeta. E quem discordar é “impatriota e contra o BraZil”. Na democracia americana o pessoal mete bala às claras nos candidatos e presidentes, mas no BraZil as criaturas morrem de desastres de carro, avião, helicóptero, pela via curta do suicídio ou do coração. Ou natural ou pelas leis da vida. Somos mais civilizados que eles!

 

Cr & Ag

 

Acreditamos demais no sobrenatural de almeida, temos fé excessiva no astral da silva e o pensamento mágico, como a eleição do Collor, tende a repetir-se. Aposta-se em quem não fez e sabe-se que não fará. Acredita-se que do nada sairá o futuro grandioso de um povo rico, num país rico, de pouco trabalho e de muito futebol sem os 7×1 e os estupros e estelionatos eleitorais. Acredita-se num país em que estudar e trabalhar é coisa de mané e que patrão é o demônio com chifres disfarçados. Acredita-se que os criminosos jamais devam ser presos e se algum dia forem condenados, aparecerá algum jornalista oligofrênico nota dez, para abrir a bocarra aos sete ventos anunciando a sua prisão de trocentos anos, numa terra com S ou Z de pena máxima de trinta anos que somente os abandonados pelo capeta e pelos partidos, pelas ideologias ou pelos direitos (des)humanos farão cumprir-se. “Ooops! 1/6 da pena Edinho!” – alfineta o amigo leitor.

 

Cr & Ag

 

É a pátria do futebol e dos herdeiros políticos. E como tem herdeiros! Isso é próprio do populismo de havaianas e charuto Havana entre os dedos. Conhece o pessoal que trabalha mais de cinco meses por ano somente para bancar esse desgoverno e as falcatruas escancaradas e mascaradas de lapsos de competência ou que “era excelente negócio naquele momento”? E o exemplo de Pasadena é a ponta do grafite nesse mega lápis de pau-brasil. Onde não sei e não vi ou nunca escutei nada é a defesa suprema e aceita. Caindo de Maduro tem as Chaves certas e incertas da ditadura e do populismo que é apoiado pelo desgoverno do BraZil. Imitamos ao pior, como crianças que apesar dos conselhos paternos e dos evidentes descaminhos, escolhem andar e acolher e copiar o ruim.

 

Cr & Ag

 

 

Muitos leitores não gostam, alguns odeiam, outros se sentem nauseados e tem ojeriza pela política nacional e pedem que o cronista faça seus textos fora disso. Mas como evitar?

Conflitos na educação – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 19 Agosto 2014

 

2014 – 08 – 19 Agosto – Conflitos na educação – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

Conflitos na educação

 

Eis que a Comissão estadual de educação quase impingiu às escolas particulares regras anômalas, descabidas e possivelmente absurdas que impediriam dos alunos comprovadamente delinquentes serem afastados, punidos ou terem suas matrículas não renovadas. Somente não conseguiu pelo clamor popular iniciado no programa Guaíba Hoje do jornalista Rogerio Mendelski. Ainda desejavam serem esses delinquentes “tratados” pela escola. A ideologia marca certas posições e denuncia o atraso ou a malversação da vida dos outros pela intromissão absurda e descabida. A escola já está privada de terem mestres e professores, pois passaram a ter tios e tias ou “trabalhadores em educação”. Esse é o caminho da desconstrução e da destruição dos valores básicos que faz a humanidade conviver em civilidade dentro de normas para todos.

 

Cr & Ag

 

A escola deve informar a partir da alfabetização agregando conhecimentos e capacidade de buscá-los e complementar a educação familiar, que infelizmente está carecendo e regredindo a olhos arregalados de muitos de nós. Pais ausentes do lar pessoalmente ou fisicamente, casais em conflitos não resolvidos, a droga e o desamor de todas as cores são parte dessa pujante formação de menores com sérios e graves problemas de conduta e personalidade. Desde o Éden tudo se ancora e sustenta por três pilares universais: Disciplina, Amor e Humildade. Absolutamente e somente nessa ordem: disciplina à amor à humildade. Aqui vai um grande reconhecimento ao trabalho de uma vida ao Professor e Psicólogo Antônio Veiga e sua perene pregação dos melhores valores da humanidade.

 

Cr & Ag

 

Nas quatro paredes indevassáveis do consultório médico, nesse santuário em que o paciente é a criatura mais importante naquele tempo, escutamos o clamor dos verdadeiros mestres ofendidos em seu nobre ofício e tantas vezes em sua honra por alunos sem limites e por pais permissivos em suas culpas de maus pais. Vergonhosamente importantes aplicadores das leis e mantenedores da ordem, que deveriam zelar pela maioria da sociedade e dos cidadãos decentes, buscam os meandros, os labirintos e os descaminhos das palavras, pontos e vírgulas da lei para beneficiarem os delinquentes e toda sorte de malfeitores. Aqui também contribui uma imprensa que nem sempre livre de cabrestos ideológicos ou pecuniários ou por insuficiência intelectual em seu ofício informa mal repetidamente.

 

Cr & Ag

 

O prejuízo vai muito além daquelas crianças e de suas famílias que em colossal esforço levam seus filhos aos bancos escolares e que serão vitimados pela exceção favorecida e com a cumplicidade criminosa dos apoiadores. Ou quem apoia delinquente não é cúmplice? Qual a tua opinião se teu filho ou filha for impedido de estudar, ameaçado, espancado, sofrer ameaça ou violência sexual? Ou se espanca um professor ou destrói seu patrimônio? Pensa como pai do infrator ou como das suas vítimas? Todos serão e continuarão prejudicados pelos “coitadinhos e mal compreendidos”? Seria a mesma gente que prefere o criminoso solto nas ruas e invadindo lares estuprando, roubando, assassinando e traficando em vez de preso em “cadeias ruins ou desumanas”? O dever do Estado está em zelar e proteger o cidadão até dele mesmo, mas jamais prejudicar a maioria favorecendo a minoria.

 

Cr & Ag

 

Quantas escolas públicas não formam nem informam mais pela proibição da verificar e comprovar os méritos dos seus estudantes. Quantos fazem de conta que educam e quantos fazem de conta que aprendem? Vergonha e realidade. Uma pichação: “Todo político é ladrão, mas nem todo ladrão é político”. Onde está o erro essencial? Há políticos ladrões, como há médicos ou leiteiros, no entanto, há muito mais ladrões que se elegem pelo voto de criaturas que tiveram escolas e famílias ruins, relapsas, absurdamente permissivas ou deficientes.

Entradas Mais Antigas Anteriores

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.