A Família Arigó – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 19 Fevereiro 2014

 

2014 – 02 – 19 Fevereiro – Família Arigó – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

A família Arigó – Especial de Férias e Verão

N

a nossa tribo, digo família, quem não é parente do Danilo e do Sílvio Boca? O que tem de Oliveira é assustador. E Fraga então? Certa vez fui num encontro da família Fraga, informaram-me que a contagem parou em 15.423 e a fila dos Fragas continuava da Lomba do Sabão até o local do evento no Passo do Vigário. Mas há outras não catalogadas e estudadas oficialmente e sem a mística de um Fraga ou a singeleza de um Oliveira, que não conhece algum Arigó? Você mesmo, intrépido e suado leitor, quantos arigós você conhece? Faltam dedos nos pés e nas mãos para contar. Isso é geral e crescente. Um famoso cientista e professor do Einstein tinha um cartaz em seu laboratório: Quando o mundo que conhecemos acabar, restarão as baratas e os arigós! Sim tem arigó ianque – The Arygo’s Family. Dizem que Obama veio de Arygo Down. Impressionante. É uma gente tão numerosa quanto os brocoiós, os corruptos, os insanos do som e os bundas-moles.

Cr & Ag

E mais interessante e assustador é que tem arigó infiltrado, disfarçado, escamoteado nas outras espécies. Como também sou Silva, atesto e reconheço a firma: tem muito arigó nos Silvas. E na política? Observem uma campanha eleitoral para qualquer coisa, tem arigó em tudo que é partido e cor. Não que o arigó seja um camaleão multicromático, mas tem arigó do afro ao japonês (sensei ou nonsei!). Mas não se iludam acreditando que sejam subnutridos mentalmente, pelo contrário, tem arigó doido de tão esperto. Ladino como messalina  em festa do congresso. Vejam como tem arigó ganhando fortuna na dupla grenal. Não jogam meio ovo, mas estão lá com contratos de anos sem fim. Com o fim do ânus da torcida. Redundância horrível.

Cr & Ag

Há projeto na comissão (ou seria comichão) de justiça para que seja criado o status de perseguido político para que os arigós se habilitem nessa teta maravilhosa que alimenta a esperteza ideológica. Há emendas de arigós de todos os estados. Uma cria a Arigolândia, uma cidade para substituir Brasília. Querem a sede (e com muita sede ao pote) nas Ilhas Cayman. Outra cria uma estatal: a ArigóBras para gerir e distribuir tudo que vier e não vier do pré-sal com algumas dezenas de milhares de cargos de confiança e comissionados com  cota de 90% para arigós. Ainda outra cria a ArigóSaúde, a maior empresa de importação de ideologia e saúde do planeta. Há outras menos significativas como a que dá aposentadoria integral para o arigó que comprovar 20 anos não trabalhados ou ao arigó preso pela “falta de oportunidades e sociedade cruel” que terá direito “líquido e certo” de salário de desembargador aposentado por similaridade.

Cr & Ag

Que não se tire um arigó para bobo. Arigó não tem esquerda ou direita, tira e bate com as duas mãos e com os três pés. Ligeiro como corisco. Não generalizemos, tem muito arigó boa gente. Prestativo e honesto. Pau para toda obra. Tira a roupa para vestir defunto alheio. Deixa de comer para dar às criancinhas. Reza missa e ainda triplica o dízimo. Cidadãos exemplares. Mas infelizmente, muitos arigós continuam acreditando que um dia “eles cairão na realidade e corrupto e corrompido serão passado e a luz brilhará mais forte”. Bonito não é? Tiro os óculos para secar as lágrimas. Me emociono e quase entro em sintonia, mas ainda quero ver o Brasil abandonar os títulos de pátria dos bandidos e da impunidade. Talvez todos nós tenhamos uma parcela do sangue arigó correndo nas veias. Do bom e do mau. E dos intermediários.

Governo come nosso dinheiro

Assim temos o resultado do nosso trabalho devorado pelo Govêrno. Trabalhamos mais de 5 meses no ano para sustentar a vampiragem oficial.

Reflexões e Genuflexões – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 12 Fevereiro 2014

 

2014 – 02 – 12 Fevereiro – Reflexões e Genuflexões – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

Reflexões e Genuflexões – Especial de Verão e Férias

C

alor infernal, falta d’ água e luz inconstante como salário de jogador gremista há que reservar um tempo, depois de secar o suor, para algumas reflexões em ano de copa do mundo de futebol e eleições. E quando não algumas genuflexões, pois foi um desses “filósofos do povo”, Chacrinha o Velho Guerreiro, que profetizou: Ajoelhou tem que rezar. Não há como levar tudo na ponta da faca e evitar de levar na esportiva ou no bom humor as agruras da vida. E como diz T. Jordans, o Filósofo do Apocalipse: Não há nada tão ruim que ainda não possa piorar. Agradecer ao Criador é sempre um bom começo. E um ensinamento familiar, até para quem gosta de simpatias vai essa: Peça Saúde, levante cedo e trabalhe bastante e não espere dos outros ou do governo a solução daquilo que te compete. Já é um bom começo para esse 2014 de muita propaganda e muita coisa escondida debaixo do tapete.

Cr & Ag

Como o Carnaval é em Março, ainda temos um bom tempo para uma grande parte do Brasil engrenar para logo no meio do  ano afrouxar as rédeas e sair para o acostamento e dar uma descansada assistindo às seleções que nos visitam. E torcer para que o Felipão seja mais sensatez e menos mau humor. Nós estamos fazendo a nossa parte em melhorar o bom e melhor humor das pessoas que nos leem e até daquelas que algum dia serão iluminadas por esta coluna. Humildade é legal, mas cabeça erguida e queixo pra frente sempre fez avançar e vencer. Lembro-me da única campanha política que participei em que um candidato na euforia do palanque em Águas Claras atacando o PT: Não se mixemo pra eles! Se vierem por cima, por baixo ou pelo meio vamo dá no meeeio deles! Esse é um lutador persistente, que não se entrega nas quedas, nunca se elege, mas tá sempre na linha de frente com a turma do “vamo pro pau”.

Cr & Ag

Um amigo que entrou, ou conseguiu chegar lá, na casa dos 60 anos de batalhas de vários invernos e algumas primaveras, dizia-me que pensava em colocar silicone nos seios. Ops será que como a cantora ele está saindo do armário – pensei. Ao que ele emendou de primeira como centroavante matador fazendo golo: Seguinte cara, tem a população de uma Argentina (N.C. 50 milhões ou quase a população da Ucrânia) de criaturas mamando nas tetas de quem paga a conta, nós, por exemplo, com as bênçãos do governo e assinando de bonzinho. Fora a turma das cotas disso e daquilo. Fora a turma das reservas de índios e etecetera. Trabalhamos 6 meses do ano só pagando os gastos do governo e quanto dinheiro botado fora ou roubado ou, ainda, pro caixa dois, três… Ainda temos que pagar segurança privada, pedágios e pardais, escolas de melhor qualidade, plano de saúde e por aí vai. Não temos empresas nos paraísos fiscais ou prestamos assessorias milionárias porque temos canal aberto no governo e não damos palestras milionárias pagas por empreiteiras e empresas que também mamam. E dizem que é a distribuição de renda… Claro que é! Do nosso bolso pro deles. Veja se tem alguém que entrou nos últimos governos que tá mal das pernas ou pobrezinho. Sindicalista então…

Cr & Ag

A reflexão do amigo acima é importante e demonstra a saturação de muitos brasileiros com a falsa ordem vigente. Outros amigos acrescentam: – Assim como importam médicos alienígenas não valorizando e pagando dignamente os nacionais que se importem políticos dinamarqueses, justiça alemã ou chinesa, empreiteiras japonesas e chinesas, policiais neozelandeses e presidenta alemã (N.C. Corrijo: primeira ministra Ângela Merkel).

Disinganno - por Franchescko Kvirolo - 1757

Disinganno – por Franchescko Kvirolo – 1757

Maravilha esculpida em peça única de mármore

Pensamentos Sudorentos – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 05 Fevereiro 2014

 

2014 – 02 – 05 Fevereiro – Pensamentos sudorentos – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

Pensamentos sudorentos (licença poética) – Especial de Férias e Verão

Em continuidade com a política de boa vizinhança e descobrindo – literalmente destapando ou desencapando – novos talentos e outros nem tanto daremos espaço ao Arigó da Martinica. Se o sofrido e encharcado de suor amigo leitor estranha termos mais um arigó, esclarecemos que Viamão City tem arigó aos montes, aos borbotões, de dar com um pau, pra tudo que é canto e esquina. Família numerosa e prolífera essa dos arigós de origem conturbada como o nome da cidade! Compete com os brocoiós, os insanos do som e com os bundas-moles. Vamos ao que interessa. Com a palavra e a caneta o Arigó da Martinica e seus pensamentos após incontáveis loiras geladas e costelas na farinha numa cancha de bocha de sua terrinha idolatrada salve salve:

·         Se dou crédito pro patrão Lula que não sabia de nada e julgou e condenou o Zé Dirceu demitindo ele, como não dar crédito pros amigos, inimigos e pros parentes?

·         Mais vale uma mina no meu Chevetchê do que quatro na possante cabine dupla do gringo da fruteira.

·         Praia é coisa pra pobre, rico fica em Porto Alegre nas baladas da tia Carmem.

·         Mais vale uma baranga na rede do que uma Gisele na televisão.

·         Meu voto vale mais que uma caçamba de saibro ou uma reforma na patente da nega.

·         Espeto corrido e veado campeiro – tem que tá esperto.

·         Nunca atravesso com traveco brabo e sogra linguaruda.

·         Cerveja quente, chuveiro gelado e a nega com enxaqueca – levo na esportiva.

·         Se namorar baixinha acha uma escada.

·         Camisinha e estepe cheia – nunca saio sem.

·         Quem gosta de boca braba é dentista. Um abraço no doutor Emílio!

·         De gordinho descornado e político se espera tudo.

·         Se poeta entendesse de mulher não morria tuberculoso e corno.

·         Se tá entupido de gente doente, por que é posto de saúde? Tinha que ser posto de doentes.

·         Sei que é unidade sanitária porque é somente uma.

·         Na vida e no futebol é bola pra frente e enfiar golos nos adversários.

·         Quando o estrume estiver batendo no queixo, agradece que a boca e o nariz ainda estão fora. Por enquanto!

·         Confia sempre no governo! E no demônio.

·         Quando o governo dá bolsa pra bandido devia dar bolsa vaselina pro povo.

·         Se há cara que respeito e admiro é cantor de boate e brigadiano de cassetete na mão.

·         Deprimido é o cara que não enxerga o pinto quando faz xixi e não comparece na hora H.

“Há mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que sonha a nossa vã filosofia". Ato I – Cena V –  Hamlet de Shakespeare. Na linguagem popular e na simplicidade das pessoas que carregam em suas costas esse Brasil espoliado e vampirizado por políticos de punhos fechados, pretensas vítimas de perseguição política, corruptos e corrompidos, canalhas eleitos, messalinas da governabilidade e afogados no oceano poluído da impunidade há ensinamentos a serem colhidos. Há salafrários em todas as hostes e partidos numa espantosa orquestração que faria inveja à Sinfônica de Londres ou ao Balé Bolshoi. Escudados e protegidos pelo “amparo aos pobres”, principalmente “tirando dos ricos”, mas sempre compactuando com educação de má qualidade, segurança incipiente e artificialismo na saúde pública, isto é, para quem não pode se tratar nos centros de excelência como no Hospital Sírio Libanês em São Paulo, ainda com escolta e helicóptero.

John Wayne

Quantas vezes a vida parece uma caricatura?

Dor nas pernas… – fonte www.snifdoctor.com.br

 

Dor nas pernas ou nos pés podem ser mais do que cãimbra: conheça a claudicação intermitente.

 

Edmilson José da Silva tem 51 anos, mas desde os vinte e poucos ele sente dor nos pés ao caminhar. Mesmo assim, apenas aos 48 anos ele descobriu, numa visita ao cardiologista, que não havia circulação do sangue nos pés. Diagnosticado primeiramente como aterosclerose, a claudicação no pé direito já estava em estágio avançado quando recebeu o diagnóstico correto. "No fim das contas, tive que passar por uma cirurgia de ponte de safena na minha perna", contou Silva.

É muito comum que o paciente tenha seu diagnóstico confundido com problemas ortopédicos, reumatológicos e neurológicos antes de descobrir se tratar de uma claudicação intermitente. O que diferencia a doença? "A dor sempre ocorre da mesma maneira apenas quando a pessoa anda ou faz esforço físico, e alivia rapidamente, de um a três minutos depois de parar de caminhar", sem necessidade de nenhuma medida adicional, explica o cirurgião vascular Luiz Marcelo Aiello Viarengo.

Causada pela falta de fluxo sanguíneo, a dor sentida é geralmente uma sensação de constrição, aperto, cãimbra, e comumente ocorre nas panturrilhas ou nas coxas, no entanto, também pode se manifestar nos pés, ou nádegas. Hereditariedade, sedentarismo, estresse, diabetes, obesidade, tabagismo e pressão alta são os principais fatores de risco.

Se diagnosticada precocemente, a claudicação pode ser tratada com caminhadas e exercícios leves programados pelo médico. "Mantenha as extremidades aquecidas com meias de lã e roupas adequadas e evite exposições ao frio", recomenda Viarengo. Alguns medicamentos, como vasodilatadores e antiagregantes plaquetários também podem ser usados.

Dependendo do quadro de cada paciente, também se recomenda controle da pressão arterial, dos níveis de açúcar, colesterol, e demais fatores de risco. A suspensão do tabagismo é medida absolutamente indispensável.

Já em casos mais graves, como foi o de Edmilson – que, aos 50 anos, novamente foi diagnosticado com claudicação intermitente, mas na perna esquerda – é indicado uma cirurgia com ou sem stent (aparelho que mantém artéria aberta). “Se o problema não for tratado adequadamente, podem ocorrer lesões isquêmicas nas extremidades e até amputações”, alerta o médico