Aquilo que eu não digo – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 29 Setembro 2015

 

2015 – 09 – 29 Setembro – Aquilo que eu não digo – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião – http://www.edsonolimpio.com.br

 

Aquilo que eu não digo

 

T

alvez, com exceção dos golfinhos, sejamos os seres terrestres que mais neurônios usamos para nossa vida e nossa comunicação e interação com os outros seres e conosco mesmo. A nossa essência vital exige e necessita que estejamos próximos de outros seres e que neles busquemos algo que entendemos como retribuição, mas que verdadeiramente é a confirmação daquilo que sentimos e ansiamos de nós mesmos. Vamos a uma pequena história e real como essa crônica. Um casal de amigos, depois de longa viagem de motocicleta em que atravessaram o continente, saindo aqui do oceano Atlântico e estando sentindo no rosto a maresia do oceano Pacífico e com os olhos absorvendo belezas embaladas por aves bailando a sua volta e a mente agradecida acomodando tantas emoções, curtia-se naquele dia que de moldura e tela de fundo cumpria as bodas de vinte e cinco anos de amor. Eis que ela entre carinhos e reticências, argui-lhe: – Tu me amas mesmo? – os corações, mesmo enamorados e entregues, necessitam a confirmação recorrente, como um referendum a cada tempo, o endosso verbal do amor. Alguns suspiros depois em que os olhos se mesclavam e amalgamavam suas almas, ele respondeu-lhe: – Eu me amo!

 clip_image002

Cr & Ag

 

Interjeições anuviaram seu coração. – Então tu não me amas?! – com a dor manifesta nas feições e uma lágrima brotando em desgosto depois de tudo e de tanto… Ao que ele estreitou-a amorosamente em seu peito, beijou com a suavidade do beija-flor os seus lábios que se afinavam e após retirar alguns cabelos que a brisa do mar trazia para sua face, explicou-lhe: – Eu te amo tanto e por tudo, porque eu me amo. Ninguém consegue amar integralmente e realmente outra pessoa se não se amar absolutamente. O amor sai do meu coração e da minha alma, vai ao teu coração e à tua alma e retorna para mim com essa essência imortal que é o nosso amor. Ela talvez ainda não tivesse assimilado, digerido e compreendido, mas suas palavras reverberaram profundamente, como sempre, e uma sinfonia em perfeita sintonia acomodou-os no amor que tanto e tão bem ainda hoje (outros vinte e cinco anos depois) cultivam, protegem e exercitam. Palavras! Podemos demonstrar o que somos e aquilo que sentimos pelo outro de tantas e tão maravilhosas formas e maneiras. Pela linguagem corporal desde o singelo piscar de olhos ao abraço mais íntimo. Podemos amar intensamente e não somente habilmente copular. Ou presentear. Dançar ou somente entregar-se a uma melodia ou a sua poesia. Ou uma mensagem escrita do próprio punho e com os perfumes de nosso ser. Tantas e tão belas e sublimes maneiras e alternativas!

 

Crônicas & Agudas ou Cr & Ag

 

Mas, para a imensa maioria de nós humanos, jamais podemos ausentar as palavras, ou desmerecê-las, e tardá-las. Postergando-as para outro tempo, outro momento ou quando for preciso. Para quem? Não dominamos o tempo. Quando eu devo ou posso e não digo talvez jamais aconteça de poder expressar-me novamente e o amor será ensombrecido, tisnado nalguma alma. – Eu sei que ele (ou ela) sabe do meu amor! – tantos dizem assim. Tantos relacionamentos acabam ou não evoluem assim. Precisamos e nossas almas necessitam da verbalização integral, completa, da voz mais real do nosso ser, não como a arma do convencimento espúrio, mas com o dom e a benção de nos aproximarmos e nos integrarmos com a essência das existências, com a luz da vida – o amor! O daqui a pouco ou outra hora não nos pertence. Transfira o amor entre dois seres de um casal para qualquer situação de amor e nada muda desse entendimento. Somos seres de amor e de ódio. É absolutamente errôneo o entendimento de que nascemos puros e somos desvirtuados pela vida. Estamos nessa existência com os conteúdos de amor e de ódio, entre outros, trazidos pela nossa alma imortal. O ruim e o belo fazem o que nós somos, mas também nos habilita, permite e nos dá as ferramentas essenciais para evoluirmos… amando. E verbalizando! Tornando em palavras aquilo que somos e para quem somos.

 

 

 

Anúncios

Desengate, Ferro na Boneca, …–A Língua do Povo! – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 22 Setembro 2015

 

2015 – 09 – 22 Setembro – Desengate, Ferro na Boneca – A língua do povo – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião – http://www.edsonolimpio.com.br

 

Desengate, Ferro na Boneca,… – A Língua do Povo!

 

U

samos e, por vezes, até abusamos das expressões coloquiais. Não pelo temor de ser visto como pernóstico, mas pela facilidade e fluidez do entendimento. “Vox populi, vox Dei”? Cada região e cada época no seu tempo e realidade as empregam e logo ali adiante, com a passagem dos anos, elas tornam-se “desempregadas”. Observe atilado e-leitor que os nomes pessoais abundam (em todos os sentidos!) conforme as novelas da TV ganham ibope ou notoriedade, mesmo que transitório como amor de carnaval. Na minha infância e juventude era correntemente usado “desengate”, por exemplo. Minha mãe, a dona Dora, alertava: – Não fala assim guri. Assim é feio! Mas o Edinho do Cabeleira não compreendia o porquê do “feio”. Logo a usava com os amigos e longe da minha mãe. Um dos meus tios que eu amava muito, o Zé Uia, e que já estrelou diversas crônicas, tinha seu vocabulário com o emprego constante de diversas dessas expressões populares e que muito assistíamos encantados os seus “discursos”. Ao que a dona Dora alertava: – Teu tio já é homem feito e fala do jeito que quiser e guri tem que aprender o certo!

 

Crônicas & Agudas ou Cr & Ag

 

Desengate” significava sair de uma situação ou de um aperto e partir para algo melhor ou novo. – Bah meu, larga dessa mina. Essa mina é que nem corrimão de ônibus, qualquer um chega e enfia a mão! – alertava o mais experiente. – Cavalo lerdo e mulher ligeira, ninguém segura, ninguém busca! Desengata meu!”– outro amigo. – Isso não é trabalho, já é uma escravidão. Te desengata! – Vê se estuda e sai dessa, te desengata e vê se não roda de novo! – assimilaram o golpe do “desengate”? Ao jovem, o imediatismo e o atropelo das emoções e das vontades torna o raciocínio pesado e até desnecessário. Veja como a grande maioria dessas expressões tem algum fundo sexual. Como quase tudo na vida humana e animal. Sexo e poder, poder e sexo! Inclusive oculta nas siglas partidárias. Duvida? Veja: PT – Poder e Tesão! Analogia livre. E desengate estava nesse leque observado pelo catolicismo de minha mãe, mesmo que ela nunca tenha me decifrado o “feio”, mas ali estava a busca da virtude moral.

 

Cr & Ag

 

Isaac Newton estava dormitando sob uma macieira, entre cochilos e roncos, eis que senão quando uma maçã vermelha como a face ruborizada de uma branquela envergonhada ou como a camiseta colorada lhe caiu à cabeça. E foi nesse sopapo vegetal que lhe aflorou a Teoria da Relatividade. E nada mais foi como antes. Nem para as maçãs vermelhas e nem para os dorminhocos!” – T. Jordans, o Filósofo do Apocalipse. Pois foi num desses “eis que senão quando” (ansiava usar essa expressão) que flagrei o interlúdio amoroso de um cão e de uma cadela no calçadão central. Floreios e preliminares. E… entende? Ato consumado, amores consumidos. A cadela roda a cabeça e lança sofridos olhares. O cão, antes atlético e heroico, com um olhar triste permanece atrelado, unido, ligado ou… engatado na fêmea. É o pedágio que a natureza cobra, desde os tempos da cobra no Paraíso. E deslindar “Ferro na Boneca” torna-se desnecessário e fastidioso agora.

 

Crônicas & Agudas – Cr & Ag

 

O Brasil está ferrado do primeiro ao quinto (alusão ao jogo do bicho), literalmente engatado no maior esquema de roubalheira e corrupção da história desse país e da maioria dos países democráticos. A fala de Hélio Bicudo, fundador do PT, e do Ministro Gilmar Mendes, da mais alta corte de justiça do Brasil, escancara a indignação de uma autoridade com longa experiência de vida e de combate e possuidor de informações que nenhum de nós sequer imagina. Como será esse doloroso desengate com o PT e seus associados? Será que Ferro na Boneca seria o impeachment desejado pela maioria dos brasileiros? A ladroagem aposta na memória curta e na fidelidade religiosa, assim como no limitado entendimento, no escasso e simplório raciocínio, na conversão regiamente paga de “intelectuais” e de segmentos da imprensa e formadores de opinião e coloca a culpa no sofá (inimigo externo ou “elite”, capitalismo, ianques, etc). E você e-leitor?

Governo come nosso dinheiro

Quanto vale a sua vida? – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 15 Setembro 2015.

 

2015 – 09 – 15 Setembro – Quanto vale sua vida – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

Quanto vale a sua vida?

 

P

ara entendermos certas coisas precisamos de um exercício mental, uma musculação na lógica e na matemática que nos acompanha e até atemoriza. A primeira ideia é de que “a vida não tem valor”. Observem que aqui se desencadeia o duplo sentido. Para o criminoso no “exercício de sua profissão” (muito importante no contexto social e amplamente defendida pelos direitos humanos do criminoso) a vida da sua vítima é algo chamado de dano previsível ou efeito colateral. Ao cidadão com o filho gravemente enfermo em seus braços e correndo pelos postos de saúde e emergências lotadas sem um atendimento necessário e eficaz, a vida é tudo e trocaria a sua pela dele sem pestanejar. Outros entendem que o rico e o miserável valem diferentemente. Os poderosos tratam-se nos melhores hospitais e os pobres ficam entregues à demagogia e aos mitos repetidos à exaustão ou na esperança de uma nova CPMF salvadora. Vida é poesia, e arte, encanto dos escritores e dádiva de Deus. Quanto vale a vida de um brasileiro? Um cidadão comum como eu e você. Não sabe? O governo brasileiro sabe! Pegue um documento de propriedade de veículo (DUT) e leia no verso: R$ 13.500,00. A invalidez permanente vale o mesmo – R$ 13.500,00. Agora você sabe quanto cada um de nós vale e leia um pouco mais e verificará que terceirizaram o valor da nossa vida.

 

Cr & Ag

 

Esse governo que nada viu e nada sabe também terceirizou a nossa saúde entregando-a para estrangeiros de qualificação incomprovada e suspeita, pois é mais útil para a ideologia amamentar e nutrir o governo cubano do que colocar brasileiros aprovados em concurso público e com planos de carreira para tratar brasileiros. Morrem mais de 60.000 brasileiros anualmente, durante e no tempo imediato de acidentes de trânsito. Uma quantia não revelada morre tardiamente das complicações. Corpos, mentes e espíritos mutilados vagam dolorosamente embretados em ônibus, vans, ambulâncias e cadeiras de rodas. Não terão batedores de escolta, helicópteros ou as UTIs e suítes do Hospital Sírio Libanês ou equivalentes – jamais os genéricos, se me entendem! Os sobreviventes tentarão buscar o seguro DPVAT de R$13.500,00 na burocracia maligna e na lerda justiça e logo estarão vegetando na humilhação da aposentadoria do INSS e estampados no Jornal Nacional em pronunciamentos dos “entendidos” de que eles são “a causa da desgraça das contas públicas”.

 

Cr & Ag

 

A culpa é do motorista” – é o refrão do hino tétrico e satânico que permite formação sumária para conseguir carta de motorista (habilidade em dirigir? – talvez bem mais tarde), justiça leniente e até conivente com o poder,… a lista é longa. E estradas obsoletas e sem a mínima e necessária manutenção. Quando fazem algum remendo com uma “moussé de chocolate negra”, a sinalização tarda e quase nunca aparece e as simplórias faixas pintadas no piso ou as placas pichadas dos acostamentos favorecem as mortes e mutilações. Você que teve a coragem de acompanhar-me até aqui está constatando que é mais barato para o governo brasileiro pagar algumas indenizações de R$ 13.500,00 do que cumprir sua obrigação legal e constitucional. Isso é custo benefício? Quer dar outro nome? Não, você não é um Zé Ninguém! Você é importante! Você é um Zé do Voto e uma Maria do Voto! Você ainda não sabe o poder da sua arma, mas muito dessa escória que elegemos e até idolatramos sabe e teme. Quem tem, temer! Se você ainda transpira sangue para pagar plano de saúde, escola particular, vestir-se e comer, água e energia elétrica mais cara que o preço da morte brasileira e ainda trabalha cinco meses do ano para sustentar a roubalheira como fratura exposta no Mensalão e no Petrolão, fique esperto e olhe nos olhos de sua família e saiba quanto valemos em real para a real elite brasileira. A mesma elite que se alimenta de consultorias, palestras, salta das estradas acidentadas para jatinhos executivos de empreiteiras, das moradias pagas sofridamente em trinta anos para coberturas de cinema e condomínios de luxo. A elite cujos filhos tornam-se gênios dos negócios com o advento iluminado dos pais ao panteão das poderosas divindades no governo e nas estatais. Então, “se toca meu”, como diz um amigo motociclista: R$ 13.500,00!

 

clip_image002

 

Carta Aberta à Secretária de Saúde de Viamão – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 01 Setembro 2015.

 

2015 – 09 – 01 Setembro – Medicamentos, Carta Aberta ao Secretário de Saúde de Viamão – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

 

Carta Aberta à Secretária de Saúde de Viamão.

 

Cara Gestora

Sandra Sperotto

Secretária de Saúde

Município de Viamão.

 

Referente: medicamentos denominados de “Amostras Grátis” distribuídos pela indústria farmacêutica nos consultórios e ambulatórios médicos; medicamentos entregues por pacientes ou familiares por mudança de tratamento ou outros fatores, mas em perfeitas condições de uso.

 

Sou atualmente o Médico viamonense com maior tempo de vida profissional contínua aqui na minha cidade natal e tenho ao longo desses mais de 40 anos de atividade recolhido os medicamentos distribuídos pela indústria farmacêutica através da visitação de seus propagandistas e representantes com o objetivo de beneficiar aos pacientes. E principalmente aos mais necessitados. É consciência geral que as deficiências generalizadas da saúde pública brasileira precisam contar com as medidas clássicas e convencionais assim como a implementação de novas atitudes que viabilizem tratamentos mais eficientes e universais. Durante os anos em que trabalhei na Unidade Sanitária, Rua José Garibaldi, por solicitação pessoal do Prefeito da época e por cedência do Ministério da Saúde, trazia ao posto vários medicamentos necessários para variadas especialidades clínicas até que a chefia da unidade acusou “ordem superior para não receber ou distribuir amostras grátis”. Constata-se que em consultórios e clínicas de Viamão grandes sacos de amostras grátis são mensalmente encaminhados para descarte sem nenhum benefício aos necessitados. Já entreguei para vereadores vindos pelo Jornal Opinião muitas amostras grátis que beneficiaram sua assistência comunitária em consultórios não visitados pela indústria. Os próprios pacientes e seus familiares retornam para o consultório os medicamentos não utilizados e até recebidos nas Unidades Sanitárias. É amplamente conhecida a dificuldade em repor e ampliar estoques e tipos de medicamentos.

 

Pergunto-lhe Cara Secretária! Há como a Secretária de Saúde absorver os medicamentos recebidos em absoluta gratuidade e redistribuí-los aos cidadãos viamonenses como já é praxe em vários municípios brasileiros, segundo a grande mídia? Se positivo, como fazer para que esses medicamentos tenham um melhor e mais digno destino? Se negativo, há projeto definido para que os cidadãos viamonenses, principalmente aos mais carentes, sejam beneficiados com aqueles de medicamentos? Acredito que com a conscientização e participação dos médicos, demais profissionais da saúde e de seus colaboradores teremos uma nova fonte de medicamentos aos viamonenses. Igualmente importante é o florescer, crescer e expandir a consciência das pessoas em participar, contribuir e dividir o que lhe sobra com os necessitados e auxiliar os serviços públicos.

 

Sendo tema importante e de grande necessidade social, a melhor e mais digna assistência aos enfermos e necessitados, certamente nenhuma bandeira política ou ideológica seria contrária ao enfermo, essa coluna estará aberta para sua resposta. Estaremos igualmente conscientes das manifestações dos representantes do povo no Poder Legislativo e da Chefia do Poder Executivo.

 

Agradeço a atenção!

Aguardo!

Saudações!

 

Edson Olimpio Silva de Oliveira – Cremers 7720

Viamonense – Médico – Escritor – Cronista do Jornal Opinião

 

clip_image002

Solidariedade! – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 09 Setembro 2015

 

2015 – 09 – 08 Setembro – Solidariedade – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

 

Solidariedade!

 

A

 vertente católica, evangélica ou espírita da nossa formação brasileira nos inclina à solidariedade com os menos protegidos, com os desassistidos e agora… com os funcionários públicos com salários parcelados. Dias atrás ocorreu uma passeata ou manifestação orquestrada pelo CPERS na avenida central. Roupas negras, palavras de ordem e faixas de protesto. Algumas pessoas assistiam com “pena dos professores” e outros, no entanto, exercitavam a razão. Quem trabalha deve receber. Quem não trabalha deve receber? O estado falido por gerenciamento caótico gerou essa situação. Os contribuintes, que também são funcionários públicos, sustentam uma máquina pública que se alimenta de si mesma e um quase nada para aplicar no velho e sempre necessário básico – segurança, educação, saúde e infraestrutura. E falta muito! Uma orgia populista incendiou as finanças do país. Não há valor moral em ajudar necessitados em causa própria, querendo seu voto, trazendo-o no cabresto maligno e para enriquecer espoliando as empresas públicas e o próprio estado.

 

Cr & Ag

 

Aos 23 anos de idade o metalúrgico abandonou à fábrica e ingressou definitivamente nos sindicatos. Com sua ascensão ao poder o sindicalismo floresceu e seu apetite aumentou. A adesão sindical deveria ser opcional ao trabalhador e jamais compulsória como é. Apesar dessa bonança, as verbas governamentais nutrem direta e indiretamente vários deles. O sindicato defender o salário de seu membro é uma obrigação básica, principalmente por que dali daquele “couro sairão as correias e as rédeas”. Muitos professores lamentam que a “disposição e valentia” do seu sindicato não apareçam na defesa daquele professor sobrevivente na sala de aula acuado por hordas de jovens agressivos e muitos delinquentes. Por sinal, quanto mais trabalha o professor, menos vê seu sindicato. Muitos estranham que a fúria sindical não ataca igualmente os governos do PT.

 

Cr & Ag

 

Você assalariado – imagine-se recebendo o dobro! O dobro, pelo menos. Isso seria perfeitamente viável se “seu sócio chamado governo” e anexos se contentassem com uns 20%. Gostaria de ganhar o dobro? Muitos estão felizes em ganhar menos do que deveriam, mas assim cumprir religiosamente sua devoção ajoelhando e votando nas mesmas biscas que quebraram o país, assim como uma das maiores empresas do planeta e orgulho nacional – a Petrobras. Mas “a culpa é da crise internacional”. Não confundir com a crise do Internacional! Mentiras safadas. Enquanto os outros crescem o Brasil fica no negativo. Bons de propaganda! Papo dez! Realidade é outra coisa. Mentirosos realmente. “Fora FMI”! “Dívida externa”. “Pré-sal”. “Vamos baixar o preço da energia elétrica”. Jamais os bancos faturaram tanto quanto nesses dois últimos governantes brasileiros. Daí a saudade do Collor e sua Fiat Elba. Agora o Collor esnoba com os mais caros veículos do planeta, abençoado pelo lulismo que o cooptou, assim como Maluf e outros. Vários outros!

 

Cr & Ag

 

Que maravilha se o CPERS se interessasse por uma escola de qualidade (estatística Brasil: menos de 9% atingem o mínimo em matemática e até 13% em português), com alunos que saíssem preparados para o mundo real, professores motivados e protegidos da delinquência, professores educadores e não talibãs de ideologia fracassada (comunismo), que o mérito seja a indicação e a razão e jamais o compadrio político obsceno, que profissionais tenham orgulho em serem “professores” e não outros epítetos ideológicos. Lula diz que o “sacrifício é necessário”. Que sacrifício para nós que trabalhamos zurrando para pagar os mais absurdos impostos da Terra e que nada roubamos. Que não falimos com o Brasil, que não quebramos a Petrobras, que não estamos nos escambos sinistros desse vampirismo que nos assola e que Operação Lava-Jato é uma lavagem expressa do Ganso? Nosso sacrifício para a fortuna deles? Legal? Solidariedade?

clip_image002

Diálogo de dois bebês no útero. – 2015–05 Setembro

 

Diálogo de fetos