Crônicas & Agudas – Professora Marli Gama – Fev 16

 

2016 - 02 - Marli Gama collage-1456409813815

2016 - 02 - Marli Gama IMG_20160225_111132

Zika vírus na urina e saliva. Fonte Univadis. By www.edsonolimpio.com.br

Fiocruz detecta presença de zika vírus em amostras de urina e saliva

 

Entre as medidas sugeridas estão: evitar compartilhar objetos de uso pessoal, como escovas de dente e copos, e lavar mãos com frequência.

Ministério recomenda cautela, prevenção e reforços nas medidas de higiene, que evitem o contágio

O Ministério da Saúde recomenda “cautela e prevenção”, além de reforços nas medidas de higiene, para evitar o contágio pelo zika vírus. Entre as medidas sugeridas estão: evitar compartilhar objetos de uso pessoal, como escovas de dente e copos, e lavar mãos com frequência. Essas são recomendação após o anúncio da Fiocruz de que o vírus foi encontrado de “forma ativa” na urina e na saliva de dois pacientes, com sintomas compatíveis à infecção. "Serão necessários outros estudos para analisar, por exemplo, qual o tempo de sobrevivência do vírus zika e, após passar pelos sucos gástricos, se tem capacidade de infectar as pessoas", diz a pasta.

O tema foi explorado pelo presidente da Fiocruz, Paulo Gadela, em coletiva de imprensa. Segundo ele, a descoberta do instituto, ligado ao Ministério da Saúde, “não faz com que nós digamos às pessoas que elas não podem ir para o Carnaval”.

Os cientistas observaram que o material coletado nas amostras contém a presença do vírus zika e foi capas também de provocar danos em células em testes de laboratório. Isso comprova atividade viral, embora seja necessário realizar pesquisas aprofundadas agora, que comprovem se, necessariamente há infecção através de fluidos.

"O fato de haver um vírus ativo com capacidade de infecção na urina e na saliva não é uma comprovação ainda, nem significa que necessariamente o será, que há possibilidade de infecção de outas pessoas de maneira sistemica através desses fluidos", diz Gadelha

2016 - 02 - Itália 12558854_183118158715446_746419818_n

Crônicas & Agudas – O Livro e seus Amigos e Amigas – Fev 2016

2016 - 02 - Zélia Guimarães  e Gilberto - IMG_20160224_092620

Imagem

Medicina para Todos – Sífilis – fonte Univadis. Fevereiro 2016

 

Sífilis: crescimento de mais de três vezes em seis anos

  • DOC Content
Sífilis triplica o contágio em período de seis anos

Doença vem acometendo mães e bebês cada vez mais

A sífilis é uma doença silenciosa e perigosa, que vem se espalhando pelo país, preocupando médicos e autoridades. Eles tentam superar a escassez do antibiótico mais usado no tratamento. O relatório, que leva a assinatura do diretor do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, detalha o crescimento, desde 2008, no número dos casos de sífilis em gestantes e em recém-nascidos e prevê um aumento do problema em 2016. No documento, recomenda-se a aquisição urgente de penicilina cristalina, medicamento usado para tratar bebês que foram infectados no útero materno, em falta no Brasil.

De acordo com nota lançada pelo Ministério da Saúde, o número de grávidas infectadas pela sífilis não chegou a 10 mil, em 2008. Já em 2012, houve 21.382 mil ocorrências (7,4 casos para cada mil nascimentos). No ano seguinte, esse número foi registrado em 28.226 diagnósticos, ou 9,7 para cada mil nascidos. Já os casos da doença em bebês, em 2008, foram registrados pouco mais de cinco mil casos de sífilis em bebês com menos de 1 ano de idade. Em 2013, foram 13.704 mil, e, no ano seguinte, 16.266 mil ocorrências. Isso mostra crescimento de mais de três vezes, em seis anos. Em 2016, a previsão é que ocorram mais de 22 mil novos casos de sífilis congênita

Amigos de Pelo! parte 2 – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 23 Fevereiro 2016.

 

2016 – 02 – 23 Fevereiro – Amigos de Pelo 2 – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

Amigos de Pelo! – Parte 2

 

E

 os animais que estão em sintonia com a pessoa, captam e  sensibilizam-se como e por ela. Numa família, o cão escolhe o seu dono e amigo. É ‘aquele’! Pode ser legal com todos, ou quase, mas elege ‘aquele’. Alerte-se que isso não é uma regra geral, principalmente numa era em que os cães e tantos animais estão sofrendo com a ganância das pessoas. O mercado mundial dos animais de estimação movimenta bilhões de dólares anualmente. Uma formidável indústria. Mentes macabras criam novas espécies ou degeneram as existentes pela consanguinidade e drogas, por exemplo. Imaginem a reprodução humana entre parentes de sangue. Multipliquem ao logaritmo e assistam aos cães e outros animais gerados pelo interesse econômico e alimentados pelo amor transitório do modismo. Os cães de rua e os cães de mendigo são os sobreviventes da selva urbana, da guerra sem fronteira de um crescimento populacional desenfreado, predador e destruidor.

 

Cr & Ag

 

A senhora enferma na crônica anterior levou o cão da família para seu quarto e… precisaram fechar a porta para que ele ficasse lá dentro. Grunhindo e riscando a porta com as unhas. Ali certamente não será um local para ela continuar dormindo. Talvez vivendo. Há artefatos humanos e pessoas com habilidades de melhorar esses ambientes. De nada adiantaria ela continuar acossada por psicotrópicos. Quantos vivem assim? Há pessoas que trazem consigo essa energia ruim para outras pessoas e para animais. Há pessoas que te visitam e as lâmpadas queimam, o passarinho adoece, algo acontece com o cão e vem mau humor ou tristeza na casa e nas pessoas. Inclusive parentes e ‘amigos’.

 

Cr & Ag

 

E os gatos? Em várias culturas, como a egípcia, o gato recebia uma conotação mística, espiritual para o bem e para o mal. A cor do pelo do gato deixava-o com as bruxas ou queimava com elas nas fogueiras da Inquisição. O tempo de companhia menor que os cães e sua natureza mais independente e notívago faz do gato ‘um amigo na dele’. Principalmente em época carnavalesca quando o seu couro vale o melhor tamborim. No entanto, o gato da casa, o gato da família, o gato de seu dono ou dona percebe os fluidos etéreos com seus sentidos aguçados. Menos esses gatos degenerados também e de enfeite. Eis que o animal acorda, suas orelhas se movimentam num radar, sua cauda agita-se, seu pelo eriça-se, seus olhos arregalam-se olhando e acompanhando movimentos que sequer sentimos. Muitos acreditam que o gato transita entre o mundo visível e o invisível sentindo as essências da espiritualidade e captando energias que o cão não se apercebe em seu sono tranquilo. O Criador nos fez com habilidades diferentes para que nos completássemos, sejamos humanos ou animais. Ou vegetais. Vegetais? Sim as plantas reagem ao local e às pessoas. E às energias. Daí espécies protetoras ou estabilizantes como arruda, espada de São Jorge e comigo-ninguém-pode. Os florais tão intensamente usados estão nessa linha maior dos vegetais e suas energias curativas. Inclusive os minerais – a homeopatia está consolidada como ciência.

 

Cr & Ag

 

A via curta será sempre a mais longa. Mas a via longa será sempre a mais gratificante e iluminada. Ousamos desdenhar do que não conhecemos, já queimamos os diferentes, tememos o desconhecido, oramos e amparamos falsas divindades e relegamos ao abandono quem realmente nos ama. Recebemos um amor absolutamente desinteressado e pouco nos apercebemos. A mídia mostrou um cãozinho que foi para a porta do plantão de um grande hospital quando sua dona enferma internou-se. E somente saiu do local ao voltar com a dona para casa. No Japão há um monumento ao cão que esperou pelo dono na estação do trem diariamente, até morrer, tendo seu amigo morrido bem antes. Raras famílias não possuem suas histórias reais, mesmo sem se aperceber.

Cavalo - Equinoterapia Passos de Amor EQUOTERAPIA

Cavalo - equinoterapia-01-1150x591

Cavalo - Equinoterapia-702x336

Cavalo e cão - Parque Gaúcho

Cavalo Joey Filme Cavalo de Guerra

CAVALO JOEY – FILME CAVALO DE GUERRA

Charles-Chaplin-A-Dogs-Life - Carlitos salva Scraps de outros cães

CÃOZINHO SCRAPS SALVO POR CARLITOS

Gato - bruxa-e-gato

O GATO PRETO E A FEITIÇARIA

Gato amigo

GATO AMIGO E A ENFERMA

Medicina para Todos – “O sinistro da saúde” por Francisco Balestrim – Fonte SnifDoctor.com.br – Fevereiro 2016

 

O sinistro da saúde

Francisco Balestrin

Desordem, agonia, desalento. Um estado de calamidade pode ativar as mais extremas e subversivas condições humanas. No Brasil, todas elas definem o quadro da assistência e a realidade de milhões de usuários do sistema. Esse é o sinistro da Saúde. O produto final da importância que as atuais lideranças políticas atribuem ao setor: ou seja, nenhuma. Há pelo menos duas décadas, os cargos públicos da área são utilizados como trampolim e malabarismo de interesses políticos, o que transforma a Saúde em um picadeiro de pessoas incapacitadas ou ideologicamente comprometidas. Só que não há graça alguma nesse espetáculo de mau gosto.

Vivemos os efeitos de anos de banalidades, decisões equivocadas e discursos esquecidos imediatamente após a conquista de uma eleição. E, como não existe uma política nacional de Saúde, tampouco a sustentabilidade de medidas implementadas com êxito em administrações passadas, instala-se o retrato do absurdo. Uns chamam também de visão do inferno: vemos, por exemplo, a epidemia de doenças infectocontagiosas, que há muito tempo deveriam estar controladas, e o deplorável estado da saúde pública do Rio de Janeiro, provocado pelo desequilíbrio das finanças do estado e a má gestão dos recursos.

Não é apenas por ter o segundo maior orçamento da União que a Saúde se tornou uma vitrine para gente sem propósitos. Trata-se também de poder, influência e alcance. A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), um dos braços do Ministério da Saúde, regulamenta os cuidados a 50 milhões de cidadãos, enquanto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), outro alicerce do Ministério, controla tudo o que nos trata, veste, alimenta e sustenta. Isso significa que todo brasileiro, em algum momento da vida, terá contato e será impactado pelo que é feito lá em cima.

Em um momento de dificuldade tão grande como este, em que o desemprego se alastra por todo o País, a qualidade da assistência deveria estar no centro das políticas protetoras da população. No entanto, da perspectiva daqueles que se apressam e se corrompem para proteger a si mesmos, a saúde, apesar de vital, não lhes serve nem ao menos como ferramenta para manutenção do poder.

Hoje, a política adotada em nosso país é a do pão e circo, a mesma utilizada pelos antigos romanos para tapar os olhos da população em relação às mazelas e à pobreza a que eram submetidos. O fato é que a sociedade brasileira ainda não aprendeu a enxergar saúde como um bem coletivo. Quem sofre somos você, eu e, no máximo, as pessoas que se importam conosco. Do mesmo jeito, o investimento na área retorna individualmente, em forma de qualidade de vida, dignidade e capacidade produtiva exclusivas de cada indivíduo.

Contraditório, não? E, de nossas contradições, se alimentam as lideranças políticas.

Em um comentário recente para a rádio CBN, o jornalista Kennedy Allencar, ao opinar sobre os desastrosos rumos do Ministério da Saúde e do controle das epidemias da dengue e do zika vírus, disse: “Essas doenças são assuntos sérios demais para fingir que dá para ir empurrando esse problema com a barriga”. Não dá para empurrar um sinistro da Saúde com a barriga.

(O Ministério da Saúde adverte: não confunda ministro com sinistro da saúde).

Francisco Balestrin é Presidente do Conselho de Administração da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados) e Presidente eleito da Associação Mundial de Hospitais (IHF).

Crônicas & Agudas – O Livro!

 

2016 - 02 - Laura Abreu DSC_0236

2016 - 02 - Laura Abreu DSC_0237

Entradas Mais Antigas Anteriores