Direitos adquiridos vs Privilégios adquiridos! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião. 11 julho 2017.

 

2017 – 07 – 11 Julho – Direitos adquiridos vs Privilégios adquiridos – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

Direitos adquiridos vs Privilégios adquiridos!

E

ra uma vez um reino imenso, com todas as riquezas naturais que permitiriam ao seu povo uma boa vida com trabalho e realizações. Os reis se sucediam, assim como os nobres escolhidos a dedo entre o povo e, a cada nova leva de governantes, sucediam-se benesses que encantavam alguns. O governo ainda tinha um zoológico privado para o deleite dos líderes e governantes. Ali crocodilos eram priorizados, que após várias gerações de bons tratos e muitas facilidades, cresciam e se encorpavam, maiores e mais poderosos. O rei com mandato democrático, escolhido pelos súditos, principalmente os mais fiéis e devotados, alimentava o crocodilo com o néctar dos deuses e as melhores iguarias que um réptil possa desejar, como, por exemplo, algum humano que não servisse mais para pagar as taxas e impostos do reino, velhos improdutivos e crianças que se amontoavam nas filas de hospitais lotados ou que ousavam inventar algumas novas enfermidades.

Eis que o crocodilo criou uma prole igualmente faminta que se não separada ou que a oferta de alimento fosse menor que a sua voracidade se devoravam entre si depois de se culparem uns aos outros. Eis que a burocracia que mantinha os governantes e os crocodilos alimentados já ousava refugar algumas vantagens em prol de cada mais maiores salários e menores horas de trabalho e uma série quase infinita de penduricalhos. Os humanos imitando os répteis. Eis que certo dia nebuloso e com a economia em frangalhos o rei e a corte estavam prensados entre os famintos crocodilos e a burocracia insaciável e já faltava povo para ser esfolado e comido vivo. Até mortos eram usados e abusados. Resultado, a culpa era de uma nação estrangeira, da globalização e de um povo chamado de capitalista. E continuaram alimentando o crocodilo gigante e sua prole humana e reptiliana.

Crônicas & Agudas.

A média salarial do INSS é cerca de R$1.600,00. A média dos funcionários do Executivo é de quase R$9.000,00 e nos poderes Legislativo e Judiciário sempre acima de 20, 30 ou 40 mil reais. O déficit anual no INSS é até 1/3 do déficit dos funcionários públicos. Logo quem quebra o Estado brasileiro não é o miserável do INSS. O que seria um direito adquirido com a máscara de “conquista do trabalhador”, como se outros não trabalhassem até igual ou mais? Insistem que são “conquistas” do trabalhador, mesmo com a opressão das demais pessoas. Um direito do trabalhador, não deveria ser universal a todos os trabalhadores? Sim, qualquer direito deve ser universal. O direito do voto deveria continuar excluindo as mulheres e os negros? A mulheres devem continuar com os salários menores que os homens nas mesmas funções? Os homossexuais devem continuar excomungados por religiões e por outras pessoas? As crianças comerão as sobras dos adultos, devem trabalhar e banharem-se nos restos da água usada pelos adultos como em tempos de antanho? A vida deve ser um direito ou um privilégio?

Cr & Ag

Certamente, você que não é obsidiado por nenhuma força alienígena ou ideológica, acredita em direitos iguais para todos os seres humanos. Assim como deveres iguais para todos. No entanto, todos sabem que alguns são “mais iguais que os outros” e que suas corporações ganharam “direitos” que os demais não possuem e jamais devem sonhar. O direito que não é universal é um privilégio. Privilégio! Privilégio é aquilo que alguém tem e os outros não. Essas criaturas possuem privilégios adquiridos e vestidos com o manto da legalidade e julgados legais por outros privilegiados como eles. E como o crocodilo e sua prole e os humanos que neles se inspiram jamais querem ver diminuídas ou retirados seus privilégios, mesmo que tenham que devorar todo o povo contribuinte. Ou alguém acredita que o réptil irá querer todos com os mesmos “direitos”, digo, privilégios que ele! Se discorda dessa acepção de direito e privilégio, experimente tê-los e usá-los no seu lar, na sua vida e impor na vida dos outros. Quantos já fazem isso!

http://www.edsonolimpio.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: