Quanto custa essa moto? – Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Moto! Paixão Eterna. Série 24.

 

 

 

QUANTO CUSTA ESSA MOTO?

 

É sempre bom lembrar que para uns e outros há uma importante diferença entre motoqueiro e motociclista. Motoqueiro é o tipo pejorativo, que pilota comprometendo a sua segurança e dos outros. Motociclista é o sujeito que pilotando motocicleta respeita as leis, os companheiros de adversidade (pilotos e motoristas que padecem nas estradas e ruas brasileiras) e principalmente a si mesmo. Não é questão de tamanho de moto ou o seu preço. O indivíduo pode estar pilotando uma moto de oitenta mil reais e ser um motoqueiro e ao contrário, sendo um motoboy numa 125cc e ser um motociclista. Essa é uma lembrança que para o leigo ou “não-iniciado” pode ser importante para puxar assunto com um piloto de motocicleta. Alguns podem se ofender. Tem gente com escamas demais. Outros de menos. Acredito que todos nós já fomos motoqueiros em algum tempo. Seria como a fase anal ou oral. Ou mais simples ainda – o jardim de infância do motociclismo. A tendência é evoluir sublimando características.

 

O sujeito viajar de carro é muito diferente de viajar de moto. O carro está automaticamente de isolando do mundo. No carro tu vês a natureza. Na motocicleta tu fazes parte da natureza. A liberdade explode no motociclismo. Principalmente no turismo de motocicleta. Mas a visão se turva pelas regras da sociedade em separar as pessoas pelo poder aquisitivo. Quando viajava em motocicleta de média ou pequena cilindrada, principalmente em dias de chuva ou com muito frio, as pessoas no interior dos automóveis aquecidos nos olhavam com ar de compaixão. Sempre que paramos em postos de gasolina ou restaurantes a margem de estradas, pessoas olham aquele casal com a moto coberta de bagagem e vem alguém conversar: donde estão vindo? Para onde vão? São de que cidade? Viamão? Onde fica isso? Não é perigoso? Eu jamais andaria de moto assim? Cruz credo! Com esse tempo viajar de moto? O que, 3500 km? Estão doidos! Aí adiante teve um acidente que morreu dois motoqueiros debaixo de uma jamanta de Uberlândia? Vocês trabalham em que? Por que não viajam de carro, é promessa vir aqui em Aparecida?

 

E assim vai. A situação melhora quando observam o grisalho de meus cabelos. Melhora mais ainda quando tu dizes a tua profissão, em nosso caso que sou médico e cirurgião e minha esposa é cirurgiã-dentista. Aí outros assuntos surgem. Novas portas se abrem, pois a tendência de muitos é ver o motociclista como um marginal. Aí encontram alguém que faz do motociclismo um grande amor a ser compartilhado. Simpatias afloram e com freqüência traçam-se paralelos e encontra-se algum tipo de vínculo ou conhecimento mútuo.

 

É inevitável uma série de perguntas sobre a viagem e principalmente sobre a moto. Atualmente a nossa companheira é uma Kawasaki Vulcam Nomad 1500 cc, carinhosamente chamada de Morgana, um misto de fada-deusa-feiticeira. A sua cor verde perolizada é altamente chamativa. Seu porte avantajado com bancos que são verdadeiras poltronas, suas malas acopladas, remetem a um mundo de sonhos. Mas vem sempre a indefectível pergunta: — quanto custa essa moto? Até para quem sente o ego inflar em mostrar seu “poder econômico”, pode ser um bom momento. Mas não é assim para nós e a maioria dos motociclistas. Dinheiro é importante, mas o espírito é muito mais. E motociclismo é um estado de espírito. E se hoje temos o merecimento de pilotar essa máquina fantástica, lembramo-nos de primeira Honda ML 125 1980 e todas as outras que se sucederam. Assim como dos anos em que ficamos sem moto por problemas ou dificuldades outras. Mas sempre persistindo no desejo e no amor.

 

A resposta que tenho oferecido é a seguinte: quanto custa um sonho? Quanto custa uma paixão? Quanto custa um amor? Quanto custa a liberdade? Quanto custa estar rodando por uma estrada sentindo os odores em profusão? Quanto custa o frescor de uma manhã em que acordas e voas com os pássaros? Quanto custa ter a mulher amada em tua garupa abraçada compartilhando a vida? Quanto custa estar aqui conversando com novas pessoas, como tu ou vocês, que se não fosse pela moto talvez jamais se aproximariam? E assim vamos… Se a criatura não desiste do intento e insiste em saber o valor somente, então dizemos aquilo que ele espera ouvir. Ah, em dólar!

 

 

 

2018 – 30 maio.

Republicação para Site e Facebook.

Moto! Paixão Eterna

Série – 24

Moto - Paixão Eterna - 24 - 2017 - Robert Edison Fulton Jr

Anúncios

O Mundo Instântaneo e a Indigestão! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião de Viamão. 22 maio 2018.

 

O Mundo Instantâneo e a Indigestão!

R

clip_image001ealmente é mais fácil, bem mais simples engolir e digerir um copo de Nescau, de Toddy ou de Leite Ninho Instantâneo do que as cores, sons e imagens que atropelam alguns e desnudam outros nas faces da nossa vida, do nosso cotidiano de insegurança, roubalheira mafiosa – há quem ateste que a máfia teria que estagiar e fazer pós-graduação com o crime organizado do PT, PMDB, PP e PSDB, entre vários outros menos abonados e elitizados – e saúde deteriorada aos padrões do submundo do século XIX. Ops, exceto para a elite que borda e não se cora com sua saúde tratada no hospital Sírio Libanês. Em 2003 Lula e o lado negro da força tirou-nos o legítimo e universal direito de defesa da própria vida, da nossa família e da nossa ‘suadamente’ (ou seria sudoreticamente?) adquirida propriedade, como um carrinho 1.0 em 92 mensalidades. Fizeram ainda mais – legalizaram a Pena de Morte! Sendo o criminoso um ‘trabalhador’ na sua profissão e uma ‘vítima da sociedade de consumo’ e o cidadão um mero ‘efeito colateral’. Isso é a realidade instantânea de mais de 60 mil assassinados por ano no Brasil. De quase 50 PM mortos no Rio de Janeiro nos primeiros meses desse ano. Há algum país civilizado sem guerra de serem assassinados meia centena de policiais em menos de meio ano numa única cidade?

Crônicas & Agudas

Imagens viralizadas do dia 12 de maio, pouco depois das 7 horas, numa porta de escola infantil, numa faixa de segurança frontal, um marginal armado de revólver ataca as mães e as crianças para roubar e até matar (alguém duvida?). Na sequência, uma mulher saca de sua pistola e alveja o criminoso que cai ao solo. A mulher (talvez policial) afasta a arma do criminoso e o coloca de bruços e verifica se não porta outras armas. Logo o vídeo termina. Não tenho a conclusão. Perguntei a diversas pessoas que viram o vídeo e as respostas se somaram: – o que teria acontecido se não houvesse alguém armado e treinado? Por que não temos armas de defesa pessoal quando é notória a impotência da polícia? Todos lamentaram que o criminoso ainda estivesse vivo ao fim do vídeo, principalmente (todas) as mulheres.

Cr & Ag

Outras imagens circulantes, como se gravadas por policiais militares no trabalho. Um vagabundo se fazendo de mudo e enrolando a língua enquanto o policial diz-lhe que já o conhecem e que sabem não ser mudo. Algum tempo depois e o marginal fala normalmente. Outro vagabundo numa cadeira de rodas toma o mesmo tipo de ‘calor’ da polícia e sai a caminhar normalmente. Outro caso fantástico – um ‘aleijado’, um cara todo torto e amontoado no solo. Qualquer um de nós estaria compadecido da sua condição e de seu sofrimento e colocaria dinheiro na sua caixa e se sentiria aliviado como quem fosse absolvido por um bispo ou até por um papa, de alma mais limpa. Eis que a polícia, sempre filmando, manda o cara se ‘levantar e caminhar’, ‘nós te conhecemos’, ‘levanta daí’ e novamente um ‘milagre’ acontece – o ‘aleijado’ caminha com desenvoltura. Milagres instantâneos ainda acontecem pela via curta – pela polícia!

Cr & Ag

Há muitos descrentes, principalmente descrentes do poder da polícia. Divulga-se que no norte-nordeste dezenas ou centenas de milhares de pessoas recusam trabalho com carteira. Descobriram o milagre da multiplicação pelas bolsas pagas pelo teu suor e com aquilo que tiram da tua família. Vários milhares de mortos continuam a receber mensalmente a previdência que você paga e que jamais vai conseguir se aposentar. Muitos milhares mais estão recebendo auxílios-doença e aposentadorias frias como bundas de pinguim que novamente você paga para ‘acabar com a desigualdade social’ e sustentar ‘movimentos sociais’. Há como engolir tudo isso no dia a dia? E como digerir?

2018 – 05 – 22 de maio – O Mundo Instantâneo e a Indigestão – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião de Viamão

http://www.edsonolimpio.com.br

P28 - Depois do TRF 4

Um Mundo Instantâneo! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião de Viamão. 15 maio 2018.

 

clip_image001Um Mundo Instantâneo!

U

ma das melhores (poucas?) vantagens da idade é lembrar-se, quando possível, da evolução de nossa vida, de nossos hábitos e costumes e da ‘balaca’ verbal de políticos, imprensa e assemelhados. Inicio essa crônica com a memória ativada pelo Leite Ninho Instantâneo. Meus pais acharam fantástico. Que coisa maravilhosa juntar água ao pó de leite e num flash ali estava o leite Ninho pronto para ser deliciado, sem precisar do exercício de mãos e braços batendo o leite aos poucos com água e sem deixar empelotar. Economia de tempo e de esforço. Mas eu gostava tanto daquele mingau que ficava o leite em pó batido que perdi algo bom para mim. O mesmo aconteceu com o Toddy Instantâneo. Era só juntar água e o Toddy ou Nescau e beber. Simples demais. A magia de ligar um rádio ou uma televisão e esperar as válvulas aquecerem e daí ter o som e a imagem nascendo de um parto natural acabaram com o transistor em que ligou e já funcionou – era mais que uma cesariana eletrônica, se me entendem.

Crônicas & Agudas

Isso aconteceu com a informação. Era legal esperar semanas para assistir os golos do Flamengo e do Botafogo no jornal do cinema. O pessoal viajado cantava marra sabendo os desfechos das novelas no Rio de Janeiro quando aqui a trama ainda estava no auge. Na vida de todos nós, o namoro, noivado e casamento encurtou-se tanto que virou sexo casual e ocasional e a mística do matrimônio virou algo como o casamento da Rapunzel ou da Cinderela – um conto de fadas. E a ‘maldita’ globalização atropelou a turma contrária ao conhecimento e ao desnudamento do mundo. A safadeza jamais seria a mesma. O Estado Islâmico se existisse durante os governos militares estaria idolatrado e seu pessoal estaria recebendo polpudas ‘indenizações’ pelo resto de suas longas vidas. Acabaram com os filmes das máquinas e tudo virou digital, num clique veio a instantaneidade e a sua transmissão pessoal e mundial.

Cr & Ag

A mentira começou a ter as pernas mais curtas, não tanto quanto as mentes daqueles que nelas precisam, necessitam ardorosamente acreditar e persistir na idolatria. Ia-se num orelhão e colocavam-se incontáveis moedas e tão logo se iniciava a conversa caía a ligação. Pouco antes disso, solicitava-se a uma telefonista uma ligação para Porto Alegre. Hoje a espera daria para ir à Brasília de avião. Coisa incrível o que esses liberais e capitalistas fizeram com o mundo, como dar telefone, computador e essas magias para uns e pesadelos para outros da vida instantânea. A revolta se estampava nos ‘movimentos populares’ de ‘Fora Globalização’ e similares. Incrível que até a Justiça, apesar do Gilmar Mendes e genéricos, se desenroscou, desenovelou e está se informatizando e os processos se agilizando. Logo os processos de duram 15 ou 20 anos estarão durando breves 10 anos e alguns meses.

Cr & Ag

A tela do celular e da TV ou do computador escancaram a podridão que se acomodaria numa fossa sem fundo de algum escaninho legal. O poder teme a luz. O poder teme ser desnudado e ter a mostra seu corpo infectado e infeccionado, transmissor da virulência de seus atos. Veja o caos maligno da Venezuela bolivariana de Chaves, Maduro e dos irmãos Castro. Tudo seria ‘mentira do imperialismo ianque’ se não houvesse uma simples Roraima brasileira e parcialmente nutrida pela sofrida democracia brasileira. A chaga seria uma ‘mentira’ como atestava do alto de sua relevância uma grande autoridade universitária ancorada nos organismos internacionais (sic). Sérgio Moro, Tribunal Federal da 4ª. Região em Porto Alegre e tantas outras autoridades nos ensinam que nem tudo está perdido e que apesar das dificuldades a lei pode prevalecer e que estaremos assistindo quase que instantaneamente seu desenrolar. E essa luta depende de cada um de nós que sustenta esse Brasil de criminalidade crescente e ladroagem sem temor das leis.

2018 – 05 – 15 maio – Um Mundo Instantâneo – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião de Viamão

www.edsonolimpio.com.br

P31 - A Culpa é do Gato

“Relaxa e goza” – “Estuprou, mas não matou” – Roubou, mas fez”! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião. 08 de maio 2018.

 

“Relaxa e goza!”

“Estuprou, mas não matou!”

“Roubou, mas fez!”

Nas minhas viagens para locais distantes do torrão setembrina, da lendária Viamão Primeira Capital de Todos os Gaúchos, cultivo o hábito de locomover-me muito de táxi, ou de metrô, quando disponível. Conversar com taxista tem algo de especial pela sua visão de uma cidade e de um povo diverso na sua essência. É uma forma de comparar a bronca em que vivemos com a bronca dos outros. Parece, para uns, que o traseiro dos outros está mais sujo que o nosso e que os nossos problemas são até menores. A conversa de pacientes em sala de espera é mais ou menos assim, muitas vezes. Havia uma frase simbólica de Paulo Maluf e associados-postes: – Rouba, mas faz! Ouse perguntar: – Como assim? Mas não é ladrão? O taxista esboça aquele sorriso de autoridade pública, de quem sabe avaliar e dar nota para aquilo que os demais mortais não enxergam. Coloca a bola na marca do pênalti e enche o pé, digo, a boca: – É tudo gato, ladrão da pior espécie, mas tem aquele que faz alguma coisa e outros que só roubam e nada fazem. Assim sendo, estaria desculpado e indicado para uma nova eleição. E na soberba o “motora do táxi” ia mostrando os feitos do seu ladrão predileto: – Tem esse viaduto. Aquela elevada. Essa escola. Etc.

Crônicas & Agudas

Já numa esticada de táxi na Argentina, o castelhano foi mais radical: – Tenemos que matar-los todos! Algo assim. A pátria da jabuticaba deve ser diferente do resto do mundo. O nosso comunista tem a fórmula para que o comunismo que não deu certo em nenhum lugar da Terra, aqui será a solução de todos os velhos problemas. E até daqueles do porvir. O socialismo tupiniquim do FHC, esgrimido na crescente de Mensalão e Petrolão do Lula, estuporou-se na obtusa mente da Dilma e corre como cachorro cego em tiroteio com o Temer. E a canalha se candidata. Pior, se elege e uma tropa de parasitas e aproveitadores lhe acompanha nos holofotes do cargo e nas sombras da ladroagem e da corrupção desenfreada. É malufiana (de Paulo Maluf) a frase: – Estupra, mas não mata! Outros a atribuem a conhecida defensora da bandidagem. Pense na situação em sua família (“Quem tem, teme”!) em que haja um estupro! Contam que durante uma defesa do seu cliente um causídico: – Fulano até matou, mas em defesa própria e sem requintes de crueldade como os outros…”

Cr & Ag

A Marta, do sobrenome Suplicy como grife (?), é mencionada como a autora da orientação: – Relaxa e goza! O socialista brasileiro é o cara em que a pimenta só arde no dele, nos olhos dos outros é pura festa, regozijo e direito humano dele. Como alerta o Pastor Silas Malafaia, essa turma não descansa até a destruição da família. Um jornalista da Guaíba, contra-ponto do Mendelski, protagoniza a defensoria da liberação das drogas como solução para diminuir a violência e a criminalidade. E cita países numa ideação que seria maluca se não fosse mau intencionada e safada. Alerta: – tem que tentar fazer diferente do que se faz e não deu certo. O mesmo não vale para a liberação de armas para o cidadão tentar sair do corredor da morte, num país com mais de 60 mil mortes por ano. Onde desde 2003, o governo Lula decretou, contra vontade popular, a pena de morte para os cidadãos honestos, impedindo a defesa natural da vida e da propriedade ameaçadas elos criminosos. Observe como defensor de bandido, adulador e protetor de criminoso, ativista de direitos humanos, é contra o cidadão honesto, sua família e aquilo que adquiriu com o seu trabalho. Pense! Entenda! É necessário, pois a história nos mostra que estamos escolhendo piores políticos a cada nova eleição. Infelizmente!

2018 – 05 – 08 maio – Rouba mas faz – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião de Viamão

www.edsonolimpio.com.br

P27 - Gauchão

Prozac – Viagra Cycles! Edson Olimpio Oliveira. Série: Moto! Paixão Eterna. Crônica 23.

 

 

PROZAC / VIAGRA – CYCLES

 A Terapia Definitiva

 

 

O quadro pendurado na parede traduzia: – Não há nada que um dia de motocicleta não cure.

 

Planeta saturado de gente. Estradas entupidas de veículos. Lixo por todo lado. Banditismo desenfreado. População assoreada por dezenas de impostos, taxas e outras rapinagens legais, mas imorais. Saúde? Sem saúde. Emprego escasso. Salários microscópicos. Pessoas desarmonizadas. Famílias em sofrimento.

 

Esse quadro, longe de ser a expressão surrealista ou um pesadelo, reflete uma realidade. Cada vez mais o ser humano busca o falso conforto químico em drogas lícitas ou criminosas. Quando em adequado tratamento médico os efeitos são benéficos. Mas o ser humano continua a buscar alternativas na religião e em outras modalidades terapêuticas. É aí que se encontra a mais fantástica criação do homem: – a Motocicleta.

 

As Sagradas Escrituras confirmam a nossa semelhança com Deus. E como num momento de divina percepção Deus criou a Mulher, coube ao Homem tentar igualar-se. E para muitos, a motocicleta é uma mulher com duas rodas que não nos impede da sagrada cervejinha – para uns. Leva-nos para onde queremos e sua voz é sempre doce aos nossos ouvidos. E o melhor de tudo na vida é ainda permitir ao homem ter a motocicleta e a mulher ao mesmo tempo e nessa ordem.

 

A motocicleta é a terapia definitiva. Em sua presença estamos ou buscaremos a paz e a harmonia. E nenhum terapeuta será eficiente com seus pacientes se não realizar sua pós-graduação numa moto. Para isso, convidaremos o Dr. Antonio Veiga, brilhante psicólogo e emérito professor de várias e conceituadas universidades, para desenvolver essa tese para mestrado e doutorado. Pois o Dr. Veiga é outro grande motociclista.

 

 E a primeira aula terapêutica será banhar-se com essa donzela de curvas estonteantes. Prepare-a sempre como uma noiva. Aqueça-a sempre como na primeira vez. Sem pressa. Abra seus olhos ligando o farol. Encaixe-se nela. Pernas enlaçadas. Ajuste o capacete e como toda a dama merece ser tocada com luvas, coloque-as. Teste seus reflexos, algumas são muito excitáveis e rápidas. Então sinta mais as batidas de seu coração. Acelere e tome alguma estrada. Sinta o vento. Aspires os odores que se multiplicarão em seu percurso. Sinta o mundo a sua volta. Aperceba-se da natureza e veja como você faz parte dela. Em integral contato com ela e até a chuva serão lágrimas de felicidade do universo a lavar seu corpo e os problemas da vida. Observe como os outros seres humanos enjaulados desejariam estar como você e a moto.

 

Os quilômetros vencidos e vividos também representam o afastamento do sofrimento e o renascer da harmonia e da paz interior. Toda viagem tem o destino do equilíbrio entre o homem, a mulher, a moto e o universo. Talvez aí esteja o maior perigo que atribuem à moto, pois é no silêncio de nosso capacete que conversamos profundamente com a vida. É nesse falso isolamento que respeitamos e pudemos apreciar as maravilhas da vida e da liberdade. Vida e liberdade! E a moto aproxima e reaproxima. Novos amigos sempre estarão presentes. O amor com a mulher se desnudará com esse triângulo amoroso consentido: homem-mulher-moto. É o afrodisíaco definitivo.

 

O motociclismo é a terapia ideal em qualquer mal do corpo.     Ou da alma.

 

Motociclismo é um estado do espírito que renova e valoriza a vida. E ser ou sentir-se um motociclista é respeitar a sua vida e principalmente a vida dos outros.

 

 

Publicado:

2018 – 05 – 15 maio – Site e Facebook.

 

Série: Moto! Paixão Eterna. Crônica 23.

 

 Moto - Paixão Eterna - 23 - 2017 - Dakar

Os Pilares da Terra de Ken Follett.–Maio 2018.

 

O ‘grande primo’ Sílvio Terra de Oliveira, amado e querido como o Sílvio Boca emprestou-me essa magnífica obra de Ken Follett – Os Pilares da Terra. São quase mil páginas de espelhamento da alma humana com as suas qualidades e as suas perversidades e perversões. Mostra-nos as entranhas da sociedade da épocae, particularmente, revela os meandros corrosivos da Igreja. A leitura voa e logo se está com um suspiro de “"’acabou, que pena’! Beleza!

digitalizar0001digitalizar0002

A Odontologia já foi assim! Série 13

Enviado do meu smartphone Sony Xperia™

Entradas Mais Antigas Anteriores