“Pau de dar em doido”. Por Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas.

 

2016 – 04 – 05 Abril – Pau de dar em doido – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

“Pau de dar em doido”

 

N

o ano da Esperança e da Sobrevivência de 1975, estava de plantão no Hospital de Caridade de Viamão quando chegaram dois bombeiros trazendo um companheiro desacordado. Contaram que a homem chegara em sua casa e encontrou a esposa num embate nos lençóis com outro homem. Depois de “um pega pra capar”, “sossega leão”, “essa mucreia não vale o que come”, “te escapa que tão pegando”, o cara surrou quem apareceu pela frente e, principalmente, por trás. E apagou. Como sempre, a ‘turma do deixa disso e quem te pede sou eu’ imaginou e configurou que o bombeiro tivesse um enfarte ou um ‘ameaça de derrame’. E trouxeram o homem para Viamão, certamente tentando escapar do plantão policial do HPS, Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre. Hoje o hospital não tem uma face principal –talvez nem secundária. Naquela noite o acesso era pela marquise. Colocado numa maca de ferro no antigo consultório do Dr. Wenceslau Vieira, comecei a atendê-lo. Outros dois colegas estavam no território apache, o Dr. Jones e o Dr. Peralta. Eis que a criatura começou a se agitar, apesar da medicação a agitação tornava-se mais e mais violenta. Mais de seis enfermeiros e a Irmã e os dois bombeiros não conseguiam contê-lo. E o vulcão detonou e destruiu literalmente todo o consultório e a portaria do hospital. Tentava-se evitar que fosse para as enfermarias infantis próximas dali. O surto psicótico aumentava. Um dos colegas chamou uma viatura da Brigada que fazia ponto ali no antigo Texaquinho (hoje Ipiranga, naquela época até no Texaco tinha brigadiano, hoje nem no Posto Ipiranga). Dois brigadianos chegaram no “qué que foi meu”. O primeiro atingido caiu nocauteado e o capacete, chamado pelo povo de ‘pinico’, rolou até o outro lado da rua. O segundo sacou do cassetete sem chance de usar. Apanhou até fugir. A Irmã havia ligado para a Brigada e solicitado o regimento inteiro com os reservas e mais o time do Tamoio. Em outros tempos o povo dizia que ‘foi a coisa mais linda de se ver’, era brigadiano descendo o cassetete e os ‘pinicos’ rolando. E como gaúcho não pode ver uma pauleira sem meter o bedelho, desceu uma turma do famoso “7 Facadas” que era um misto de tudo ilegal que poderia haver e todo mundo sabia. A maioria numérica venceu o bombeiro que apesar de algemado e atado como uma múmia parecia se soltar a qualquer momento. Colocado num camburão e levado ao São Pedro, que na época era hospício. Os sobreviventes dividiam-se entre fundilhos comprometidos, covardes bom de garganta, o pessoal do ‘nauseocômio’ e a turma que ‘desceu o pau’… e apanhou que nem boi ladrão . Contam, isso eu não vi, que no São Pedro foi outra balada com direito à vanerão sambado.

 

Crônicas & Agudas

 

Naqueles tempos crepusculares, alguns alegam que havia ditadura para uns e ‘ditamole’ para outros, o pau cantava de dar dó e aiaiai e uiuiui. E não precisa muito. Até colega de farda apanhava. Alguns mais religiosos queriam acrescentar um adendo ou parágrafo especial nos Mandamentos: – Jamais cornearás um bombeiro grande, forte e macho uma barbaridade. Um misto de gaiato e místico colocou isso no banheiro. Filosofia de banheiro é coisa que sempre merece reflexão, pelo menos enquanto sentados na situação de todos são iguais. Conta-se que um aluno indagou ao mestre nos introitos acadêmicos: – Mestre, como saberei de pronto se a criatura é louca ou não? O mestre do alto de sua sabedoria, mas louco de sono, respondeu: – Gafanhoto, se não comer estrume e não rasgar dinheiro, ainda pode ser sadio!

 

Cr & Ag

 

Outros tempos em que os cinemas enchiam para ver mocinho matando índio. Pensar  hoje, dá cadeia sem direito a foro privilegiado. Duchas de água gelada eram usadas para tratamentos e para tirar “fêmeas do cio”. Um ditado viamonense: – Tomar choque no Cocão! – uma mistura dos choques com o bairro Cocão. O boneco ia para o famoso e temido porão da Oitava (delegacia) e apanhava da polícia e dos insalubres companheiros de cela. O pau-de-arara também tinha pau. Lembrei-me desse episódio de meu passado em que o Juramento de Hipócrates pesava bem mais que o “Money” sem a amizade das empreiteiras quando escutei na mesa ao lado: – Essa louca é pau de dar em doido, burra de dar dó, mas obediente ao chefe! Um som, um perfume, uma coisa qualquer faz partejar vivências quase esquecidas. E afloram!

 

2016 - 04 - Tainha - Alegrias, Saúde

A seguir–Última coluna de Crônicas & Agudas no Jornal Opinião de Viamão.

 

2016 - Chamada para Ler 2

Ponto de Virada e a Doença como Mudança! Parte 2. Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 29 Março 2016.

 

2016 – 03 – 29 Março – Ponto de Virada e a Doença como Mudança 2 – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

Ponto de Virada e a Doença como Mudança! 2

 

‘O que essa enfermidade quer me dizer?’Por que isso está acontecendo comigo?’ ‘Que ensinamento esse sofrimento que estou passando quer me mostrar?’ Aprendizagem. Entendimento. Essas perguntas valem para o enfermo, para as pessoas que o amam como para aqueles ao seu entorno, como nós os médicos. O entendimento nos traz a evolução e a diminuição do sofrimento. ‘Quem vive pela espada, morre pela espada!’ ‘O pistoleiro morrerá por uma arma’. Seriam  órgãos de choque” os locais frágeis no DNA pessoal e familiar onde se abrigarão as doenças daquela estirpe. Outros creem nas manchas escuras da alma imortal que ali prosperará a doença. A sabedoria popular também ensina que ‘o peixe morre pela boca’. Isso pode ser a alegria e o objetivo de muitos – “prefiro morrer transando loucamente do que de pinto caído”, dizia a criatura na UTI do Hospital de Caridade. Outro: “vou morrer de barriga cheia sem essas frescuras de colesterol, diabete, pressão alta e outras coisas que inventam para tirar o dinheiro da gente e dessa vida só se leva o que se come”. E morreu. E a barriga não estava cheia da comida e da bebida fatal, pois defecou no leito de escorrer pelo piso da enfermaria. Não levou nem o que comeu!

 

Crônicas & Agudas

 

O Brasil que deveria ser de todos nós, mas descobrimos ou sempre soubemos que sempre pertenceu mais a uns do que a outros. A escravidão jamais foi abolida, pois criaturas vistas como gente acreditam piamente serem merecedoras de benefícios e de dádivas por “cuidarem de nós” e serem “os protetores dos pobres”. Essas criaturas roubam o sangue, o suor e a esperança que um mundo melhor, mais igual, mais ético e decente que nossos filhos e netos herdarão por direito de mérito e não por ‘ocupação’ ou por invasão. Elaboram em suas mentes macabras a ideia de um tipo de mérito que devem possuir apesar do trabalho ser dos outros. E acólitos, subordinados, obsidiados, edulcorados por uma seita sinistra e por uma devoção que vai ao imolar-se ao mestre varejam a sua volta. O poder exige mais e mais poder. Sempre mais! Acumulam-se riquezas impossíveis de gastar em várias gerações e vão corroendo, devorando, lançando metásteses por todo organismo social, por todo o país. Seriam as enfermidades e graves sequelas do Aedes aegypti um símbolo ou uma analogia sinistra nesses tempos sombrios?

 

Cr & Ag

 

Jamais a terra brasileira esteve assolada por tamanha enfermidade e a Operação Lava-Jato está expondo a doença e suas infecções associadas. Várias dezenas assumiram seus crimes, devolvem parte de sua pilhagem e desnudam seus cúmplices. Estamos num ponto de virada dos brasileiros. Ou mudamos ou a enfermidade nos mata cancerosamente. A senhora presidente Dilma teve um câncer em seu corpo, dizem que um linfoma e foi tratada por brasileiros com a melhor técnica e condições disponíveis no mundo. Algo completamente irreal e inacessível para nós meros mortais. O linfoma pode ser entendido como câncer guerrilheiro que vai atacando, solapando, minando e matando em diversas frentes. O ex-presidente Lula teve um câncer, dito de garganta, e como sua discípula fiel recebeu os melhores tratamentos, também irreais e inacessíveis para os brasileiros como nós. Saíram das enfermidades para novas ou às mesmas vidas? Houve uma mudança para melhor ou para pior? A garganta é a vertente da voz e do convencimento pela fala e a enfermidade atacou aí. Os sinais e sintomas mostram que a criatura buscou o lado negro da força com mais vigor e denodo. Em vez de luz, firma-se nas sombras e na escuridão. Até no vocabulário, o linguajar de penitenciária revela o veneno ejetado. Assim como se autodenominar de “jararaca” – uma mortal serpente faz o organismo sangrar e decompor-se. Dolorosamente para muitos de nós que um dia aplaudimos o homem e votamos pela esperança de mudança. Mudou para pior. Infelizmente! ‘O Diabo não é Diabo porque Deus fez ou quis, mas porque ele quis ser Diabo!

 

angels-heaven-1800x2880

 

10606377_322117277951869_4832426039603143012_n

FELIZ PÁSCOA!

 

2016 - Páscoa

Ponto de Virada e a Doença como Mudança! Parte 1 – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 22 Março 2016

 

2016 – 03 – 22 Março – Ponto de Virada e a Doença como Mudança 1 – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

Ponto de Virada e a Doença como Mudança! Parte 1

 

A dor ensina a gemer!’ – ensina-nos a sabedoria popular e milenar. Lá no início, bem antes do Big Bang, Deus expurgou do convívio divino o filho dileto, mas maligno, e Lúcifer e o Inferno foram gerados. Ou algo assim. O inferno é o lugar do sofrimento. Com níveis dantescos, como o Sétimo Inferno de Alghieri, talvez onde a dor e o sofrimento sejam absolutos. E as criaturas passaram a temer o Inferno. E os humanos passaram a temer as masmorras e as prisões que além do cerceamento da liberdade teria o convívio de feras iguais ao enjaulado ou piores. E foi O Criador que mostrou-nos que a Disciplina vem antes do Amor e da Humildade ao punir seu filho angelical e ao expulsar do Paraíso Adão e Eva. Existe? Não recordo de nenhuma passagem no Evangelho em que Jesus fosse pregar nas prisões e nas masmorras. A conversão do ‘ladrão’ deu-se na cruz. O Direito romano, que está na essência e no âmago do Direito ocidental, não criou prisões melhores para uns e piores para outros. Todos, do senador ao comerciante, do general ao religioso, por exemplo, cumpririam suas penas nas mesmas masmorras, pedreiras, galés ou arenas. O nazismo e o comunismo ‘aperfeiçoaram’ punindo os contrários às suas ideias e ideologias, ou simplesmente aos ‘diferentes’ ou ‘denunciados’ e aí estão para a história os campos de concentração e de prisioneiros – leia Contos de Kolimá de Varlam Chalámov, uma obra prima da literatura russa sobre os malignos ‘campos de prisioneiros’(extermínio) na Sibéria.

 

Crônicas & Agudas

 

Estranhamente, bizarro para outros, que comunistas estejam à frente de movimentos de direitos humanos se é de sua matriz primária o absoluto e completo desprezo aos direitos do ser humano em todos os regimes e países onde prosperou. Assim como comunismo e democracia – absolutamente incompatíveis. Tão estranho e safado ou imoral são criaturas que requerem prisões ‘lúdicas’ e ‘recuperadoras’ dos criminosos, como assassinos seriais e estupradores, mas que são incapazes de requerem prisões iguais para todos. Todos! Sem as vantagens como dos direitos universitários, dos ricos e poderosos e dos pobres, do empreiteiro e do peão chão de fábrica, do senador ou deputado ao mascate. Coloquem-se todos na mesma cadeia com os mesmos ‘embargos infringentes’ e chicanas jurídicas que postergam indefinidamente a punição daquele que não pode pagar um desses tomás bastos da vida ou se dizem ‘donos’ de ministros e da lei. Também os mesmos hospitais e postos de saúde e ambulatórios para todos. Milhares morrem sem acesso às necessidades básicas de saúde. Quantos podem tratar sua saúde chegando de helicóptero, comitiva, seguranças e bajuladores num sírio libanês da vida?

 

Cr & Ag

 

A dor e o sofrimento mostram-nos nossas limitações, nossa humanidade e nossa finitude. Todos, não somente os médicos e demais anjos da saúde, conhecem as histórias de pessoas que assoladas pela doença e principalmente pela enfermidade maligna sentem a necessidade de mudar algo dentro de si e até para a humanidade. O Cristianismo ensinou-nos e mostrou-nos o vórtice do sofrimento extremo e seu poder modificador se essa for a vontade da criatura. Nem sempre é. Os reencarnacionistas de todas as cores veem na expiação de muitas vidas a evolução e a iluminação da criatura. Sempre a evolução e o amor gerados e aperfeiçoados pela dor e pelo sofrimento. A dor e o sofrimento não são castigos do Criador, são os caminhos que cada um escolhe e opta para sua vida ao romper a disciplina básica e primária que nenhuma constituição ou calhamaço de leis humanas irá mudar.

 

A Páscoa está logo ali na curva da semana seguinte, a um tiro de laço de Amor ou de Ódio. Do Poder ou da Humildade! – Nota do Cronista: continuaremos esse tema.

Grandes Médicos!

2013 - CARTAZ EVENTO CENTENÁRIO PROFESSOR RUBENS MACIEL NA ASRM 31 AGOSTO 2013

2013 - RUBENS MACIEL 100 ANOS

A Fé é Cega? – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 15 Março 2016

 

2016 – 03 – 15 Março – A Fé é Cega – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

A Fé é Cega?

 

Vivemos tempos tenebrosos para muitos, como àqueles que a cada quatro minutos perdem o emprego. Ou àqueles que saem de casa com a incerteza de retornar. Ou àqueles que continuam com seu patrimônio destruído por hordas denominadas pela ideologia retrógrada de movimentos sociais e nutridas e alimentadas pelo suor e pelo sangue dos brasileiros que trabalham e vampirizados pelos governos. Ou àquelas crianças e mulheres que são estupradas, cerca de quatro mulheres a cada hora. Ou aos milhares que sucumbem no trânsito assassino de autoridades ineptas e irresponsáveis. Ou aqueles que rondam em sofrimento atroz os hospitais e ambulatórios. Aliviamo-nos com a ideia de que somos um “país jovem”. Jovem? Temos o mesmo tempo da América, por exemplo, ou bem mais que uma Austrália ou uma Nova Zelândia. Suspiramos, gememos e choramos nesse vale de lágrimas que chamam de “jovem democracia brasileira”. Jamais generalizamos e o entendimento da generalização é o arcabouço da safadeza que se oculta no manto da pretensa e insistente nominação pessoal.

 

Crônicas & Agudas

 

Aquele que nasceu como um partido político, que cavalgava o corcel branco e puro da ética e da dignidade, mostrou a sua real face ou exteriorizou seu conteúdo secreto? A cara do cavaleiro do apocalipse. A face ocultada por lideranças que continuam a gabar-se como “defensores dos pobres” e “contra a elite”. Discurso repetido sem exaustão que ainda comove ou alimenta mentes desprovidas da sensibilidade crítica básica, ou fomentadas pelo dinheiro da corrupção. Ou, ainda, alimentada pela fé que cega e distorce a verdade e a realidade. O petismo tornou-se uma corruptela do lulismo? Ou seria o contrário? Ou as duas faces da mesma moeda enredada na lama do mensalão e perdida no pantanal pútrido, pestilento, corrupto e infeccioso do petrolão? As defesas dizem que “tudo foi dentro da lei e aprovado pela justiça eleitoral”, “ainda não tomaram conhecimento das acusações”, “perseguição política”, “novamente as elites”. As elites deles? Não aquelas elites dos jatinhos, das empreiteiras, das supostas palestras pagas a peso de ouro, das reformas e presentes de amigos, do enriquecimento e negociatas de amigos ou familiares, das fortunas depositadas nos bancos estrangeiros, das babilônicas quantidades de dinheiro devolvidos em prol das delações premiadas ou das várias dezenas de depoimentos juramentados de antigos e novos amigos. Ou de apoiadores e partidos da base aliada. Fogo amigo? Traidores do “mestre”?

 

Cr & Ag

 

Não basta pertencer a uma agremiação partidária, deve-se ter fé absoluta nos seus líderes e sempre pretensos mártires dos ataques “deles”? Quantos abandonaram aquele barco mal-assombrado? Outros, muitos outros, continuam prontos para se imolarem nos tribunais ou nas cadeias para defender o líder. Seria um líder religioso e o partido uma seita? Sabe-se que a fé pode cegar e levar pessoas ao penhasco da devassidão física, mental e espiritual. Uma colega diz-me que “comunista não crê em espírito, é um ateu em essência”. O partido sucumbiu como agremiação e existe como escolta de seu líder e anteparo do que a justiça mostra de atividades ilegais ou criminosas. Seu líder participou no processo de destruição de outras lideranças e muitas se sacrificaram para seu “mestre”. Kardec, ao apresentar uma nova filosofia à humanidade que se converteu em religião, ensinou que a fé deve ser raciocinada, pensada e tudo que ofende à razão e ao bom senso, afastado. No Evangelho de Mateus está que arranquemos de nós aquilo que nos ofende (à razão) – seja um olho ou um membro. Na Medicina há que amputar a parte gangrenada para tentar salvar o todo, ou o corpo e a vida.

 

Tempos tenebrosos e a perversidade cínica! E hipocrisia! Redundâncias? Doloroso.

 

 

Ana Tereza Barboza - landscape-6

 

Cada um na sua? – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 08 Março 2016.

 

2016 – 03 – 08 Março – Cada um na sua? – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

 

Cada um na sua?

 

EM QUE PAÍS VOCÊ VIVE? Em que lugar desse país? Ou trabalha? Ou sobrevive? A liberdade individual está na base das liberdades do ser humano e da democracia. É possível aplicar-se essa regra de ouro no Brasil? Se você está na savana africana, lugar de feras e de predadores, você está tranquilo com suas opções e as feras que ‘fiquem nas delas’ e lhe respeitem? Ou será cuidadoso e seguirá as orientações do bom senso e daqueles que conhecem aquele ambiente? Outro cenário: sinta-se num belo passeio pelo Pantanal e num calor de fritar ovo dentro da casca, você olha as águas daquele rio maravilhoso ou daquela lagoa azulada, seu impulso é jogar-se na água fresca. Você faria isso sabendo dos cardumes de piranhas e dos jacarés famintos? Se você é mulher e estiver menstruada será uma presa a ser disputada pelos predadores pelo odor do seu sangue. “Isso é da natureza dos animais” lhe dirão os entendidos. E acrescentarão que ali é “o habitat deles, o que eles fazem é normal para sua espécie” e “você é que deve se preservar”. Ou não? E a sua liberdade e o seu direito de viver a sua maneira?

 

Crônicas & Agudas

 

A cada 2 minutos um carro é roubado nas capitais do Brasil. Munimos os carros, além do suor e do sangue de nosso trabalho, comprados em longos financiamentos – muitos de nós, com alarmes e caros seguros. Geralmente pagamos dois carros para termos um, pois o governo é nosso sócio-predador. Buscamos estacionar em lugares mais seguros e também pagos aos flanelinhas, garagens e prefeituras sem a necessária segurança de ao voltarmos (se voltarmos) o carro estará em condições nos esperando. O poder público, que tantos nos suga e vampiriza, precária ou ausente segurança nos oferece. Índices oficiais acusam mais de 60.000 mortes no trânsito brasileiro em 2012. Some-se os que morrem depois do acidente em UTIs e hospitais desprovidos dos recursos necessários em número não calculado. E dos mutilados física e mentalmente. Motoristas despreparados e criminosos e estradas assassinas sem a engenharia rodoviária e os cuidados necessários. Habilitações ainda compradas na safadeza, etc.

 

Cr & Ag

 

A violência rouba 143 vidas por dia no Brasil, mais de 53.000 por ano. Pior que muitas guerras. Somos o país que desarmou o cidadão, que o impede de defender seu lar, família e patrimônio e continua armando e protegendo o criminoso. Aqui comunista é “defensor” de direitos humanos, assim como “defensor” da democracia. Falcatrua. Falácia reverberada na ignorância da pátria deseducadora. Não há país comunista com democracia ou que os direitos humanos sejam respeitados. Mas a arma para o criminoso é seu “instrumento de trabalho” e certamente necessário como a enxada para o agricultor ou o bisturi para o cirurgião. Nenhuma pena real acrescenta-se à posse e uso de armas de uso inclusive das forças armadas ao criminoso, pois estarão protegidos pelo limite de 30 anos de reclusão e cumprindo até 1/6 disso na famosa, acintosa e macabra “progressão de pena”. E sempre terá uma autoridade que o livrará da prisão por “excesso de presos nas cadeias ou más condições”. Quem livrará as vítimas e enfermos das instituições precárias ou ausentes na saúde? Assim ele retorna à rua para matar e roubar – quem nos livra deles?. E estuprar! Cerca de 500.000 mulheres são estupradas por ano no Brasil. Um estupro a cada 4 minutos (Jornal Estadão). Cerca da metade em menores de idade. Alarme-se! Saiba que a maioria dos criminosos não terá recuperação real e não é por culpa da sociedade que ele é criminoso e nem das cadeias. Infelizmente para as vítimas, para a sociedade e até para sua família depois que o câncer é câncer a tendência é se metastizar. Espalhar-se na sua malignidade. Jamais generalizamos. Você conhece com certeza de muitos recuperados?

 

Outro dia o tradicional Colégio Anchieta de Porto Alegre recomendou que as jovens tivessem cautela nos shorts usados. Jovens enfureceram-se atiçados ao confronto pelas redes sociais e versões de feminismo e machismo verteram com o furor hormonal da adolescência em flor. O cenário de segurança não é promissor e devemos acautelar-nos num Brasil que está distante daquilo que ansiamos e trabalhamos para manter e deixar para as próximas gerações.

Translúcido - mulher em vôo

Translúcido - ginástica

Translúcido - grávida em pos. de lótus

Entradas Mais Antigas Anteriores

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 934 outros seguidores