Flagelados de Verão em Viamão City! Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas. Jornal Opinião de Viamão. 0 Janeiro 2017.

 

2017 – 01 – 10 Janeiro – Flagelados de Verão em Viamão City – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

Flagelados de Verão em Viamão City

Na estrepitosa coluna anterior com mais uma lenda urbana sendo devassada, explodiram mensagens de leitores que “viram” o Bonatto de trenó, conforme descoberta do Arigó do Tamoio. Eleitores da Grande Viamão histórica, que é o território que ao norte se limita com Laguna, ao sul com Colônia do Sacramento, a oeste com as Missões argentinas e ao leste com o Atlântico, organizam-se para aumentar a frota de trenós do Noel nessa embatucada região de balas, mulheres e maridos perdidos. Alguns bem achados! E estava esse cronista ladeado por imagens da barbárie de Manaus e com imagens da barbárie de todo tempo nos hospitais, emergências, estradas, ruas e sabe Deus tudo que o cidadão passa e morre… Escrever sobre dor? Repetidas dores. Intermináveis! Eis que chega o Arigó da Enchente. Informo aos desprevenidos que a família Arigó é imensa e prolífica. Origens? Versados já encontraram até o Arigó de Neandertal. – Edinho do Bisturi (me chama assim desde uma emergência que…) tô flagelado meu. O arroio subiu e levou tudo. Lá em casa só escapo a Nega Véia e a sogra. Essa nem o demo leva. Até meu cusco tá sumido. Não lacrimejei, pois conheço a figura de muitos carnavais.

Crônicas & Agudas

E seguiu o trote. – Pois tamo fazendo a rifa duma vaca pros consertos. O mínimo é 10 pau. O sorteio é com o Coelho da Páscoa. A criatura é mais ligeira que gato de rua, mas é boa gente. E dei uma nota para o amigo, pois depois de se casar com a irmã vesga e careca do Formigão Bala no Saco, chefe da ‘comunidade’ e aturar a Alcéia 1001, que além de bruxa é desdentada faltando as duas teclas do meio no piano e parece vampira, qualquer ser vivo merece uma atenção e ajuda. E contou-me: – Estava ali floreando uns espetos no tonel e curtindo uma loira suada entre uma olhada e outro pro céu que tava mais preto que umbigo de mendigo. O ventinho aumentou e começou a pingolear. Pingo macanudo do tamanho de um balde. Comecei a pensar em arrastar o tonel pra debaixo da meia água, do lado do Corcel. E logo desceu um caldo que já nem enxergava a véia Alcéia e a isipra dela na cadeira de praia. A Nega Véia tem pânico de raio e corria como cusco atrás do rabo. Eu que não perco a calma nem as cuecas me apreparei e me agarrei numa câmara de ar. Da outra feita arrebentou o represo do Janjão Cuiudo e afogou toda a porcada macau do Zezinho 3 Goles.

Cr & Ag

Num aiaiai e num uiuiui a água desceu e subiu e começaram a baixar primeiro o que a turma descarta no arroio. E baixou uma tropa com sofá, colchão, fogão, pneu, antena de TV e tudo que é tralha. Já comecei a me preocupar. Botei o cusco brazino no telheiro de Brasilit e o cardeal pendurei bem alto no poste da CEEE. Abracei o engradado de cerveja e amarrei na câmara. E a água subiu numa velocidade que logo passou uma égua nadando e fazendo glubglub. E descia de tudo. Até defunto sumido desencantou. A água tapou quase tudo. A véia Alcéia se agarrou num anão que foi salva-vidas no Quintão e saíram braceando num vamo que vamo. A veia é chegada num agarro e num vucovuco. A Nega pediu ajuda, mas não desamarrei ela do poste, pois vá que a enchente carregue e o cunhado se arrevolte. Tô ali boiando quando uma gorda me agarra pelo pé e queria minha bóia. Não livrei no cotovelo, mas enfiei uma garrafa na moranga dela, foi a sorte pois um brigadiano laçou a gorda e com uns cinco caras rebocaram ela pra fora da enchente.

Cr & Ag

E continuou: – Sou veterano de enchente, mas Edinho não se acredita nem desdenha do que passou por mim. A criançada nos telhados batia palmas pros bombeiros. A enchente arriou ligeiro e começamo vida nova. A cada caçamba que a prefeitura tira do arroio mais umas seis o povo descarta. Sempre foi assim desde que me conheço por gente. As professora da escola até querem ensinar pro povo, mas são corridas a grito e com a cachorrada na cola. Choveu dá nisso e mais um metro de barro. Vai com Deus que tô indo fazer uma frente com o André, pois sabe que vassoura nova e prefeito novo…

O trenó do Noel em Viamão City! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião. 03 Janeiro 2017.

 

2017 – 01 – 03 Janeiro – O trenó do Noel em Viamão City – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

O trenó do Noel em Viamão City!

Ao leitor esfolado nas festividades de final de ano – ou seria de entrada? – Vamos esmiuçar mais uma dessas lendas urbanas da Primeira Capital de Todos os Gaúchos. Sem mais delongas, “historiemo o causo” e com a assessoria técnica do Arigó do Tamoio. O governo Bonatto asfaltou ruas e assemelhados, mas (a maldição do Mas!) deixou a buraqueira assolar e destruir as já asfaltadas. E sem procurar muito, basta ver e cair nos buracos do entorno da prefeitura e das praças centrais. Quatro anos de abandono e degradação do piso. Ali na esquina da sede do PTB, os degraus nos buracos derrubaram motoqueiros e destruíram carros. E como o Bonatto chegaria à prefeitura e não sentiria vergonha da ‘buracama’? Aí começa a lenda – Bonatto acessava a prefeitura por outras vias. Por água seria impossível, não tem água diariamente nem nos canos da Corsan. Pelo ar? Plantonistas de binóculos e drones revezavam-se procurando um helicóptero da BonaTam ou BonatoGol. Nada! Então – outras vias. E por via das dúvidas…

Crônicas & Agudas

Eis que esse veterano se encontra com o Arigó do Tamoio no passeio defronte à Câmara de Vereadores. Havia um protesto de mulheres que quebram os saltos dos sapatos nas crateras entre as placas de basalto pessimamente colocado. Há relatos cruentos da travessia dessa calçada acidentada, como um anão entrincheirado e quedas de pessoas com órteses, como muletas. Acessibilidade é exigido nos passeios ‘dos outros’. Há gente autuada por qualquer coisa, mas ali estão os recuerdos das velhas trincheiras setembrinas. – Fotografa e bota no Opinião! Gritou a loira batendo panela. Uma gordinha de sineta trazia uma sacola de sapatos com saltos arrancados. Um magrão tatuado e com vários piercings acampados na face atacou: – Aí gente, que ódio, que ódio! Eis que o Arigó do Tamoio, com seu peculiar destemor e inaudita coragem reveladora, puxou-me pelo braço: – Edinho, descobri o segredo do Bonatto. O cara vem na prefeitura uma vez que outra. Uma mais que outra. Ele veeem de trenó! Sim, sim, o trenó do Noel! Manja o Noel, aquele gordinho, barbudo e do saco grande e bem maior que o Colhudo da Faxina. Pois é cara. Dizem que o Ridi também contratou o Noel que locava a viatura, digo, o trenó. Sim, sim. Com renas e tudo e de lambuja ganhou o projeto do hospital no Ana Jobim e uns duendes.

Cr & Ag

Eu ali com os olhos saindo dos óculos. Ele cochichou: – Edinho de Deus, tinha nobre edil querendo CCs com o Noel e colocar no orçamento. Ué, não sabia que havia Noel Rent a Car? Pô meu, que mundo tu vive? Havia até uma verba especial da Petrobras para o combustível alternativo. Claro que o sigilo aqui é pra proteger o Noel da algum talibã do Moro. Então o Bonatto estava vindo de trenó, do Noel meu e presta atenção. E dava carona para vários vereadores. Sim-sim e está em alguma comissão o estudo de criar uma cota especial para as renas de narizes azuis em homenagem ao tricolor. É claro que isso só a NASA sabe pois cuida do espaço aérea e depois deles ninguém mais vê o trenó coberto pelo manto da invisibilidade. Então é fria a lenda do espírito do Bonatto viajar pelo astral de almeida. Sim, sim, o cara não anda na buraqueira. O cara despreza os buracos dele e ri dos buracos dos outros e vem no ar condicionado com um duende de motorista e outros vinte de segurança.

Cr & Ag

Perguntei-lhe: – O André vai locar o trenó do Noel? A resposta do Arigó foi mais rápida do que a do Instituto Lula: – Há controvérsias. E esperanças. A primeira é que o André feche os buracos alheios, inclusive algumas bocas brabas e famintas. Depois que a Câmara dê exemplo e indenize os acidentados no passeio da praça e proíba a pimenta que somente arde nos olhos dos outros. Está o mistério revelado e devassada mais essa lenda urbana? Vote!

http://www.edsonolimpio.com.br

A Brigada Militar e a Bandeira do Rio Grande! – Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas – Jornal Opinião – 27 Dez 16.

 

2016 – 12 – 27 Dezembro – Brigada Militar e a Bandeira do Rio Grande – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas

http://www.edsonolimpio.com.br

A Brigada Militar e a Bandeira do Rio Grande!

 

As pessoas me perguntam de onde nasce essa simpatia pela Brigada Militar? É fácil, meus pais me ensinaram a simpatizar com quem merece respeito e gratidão. Isso traz consigo uma existência de trabalho e consideração pelo povo rio-grandense. Repito que respeito outras corporações e outras polícias. Não obscureço seus problemas, muitos da fragilidade humana, outros pelo treinamento inadequado, ainda pela ideologia de certos comandantes. Nas universidades da União Soviética, desde antes de Stalin, pregavam que “a ideologia é mais forte que o sangue”. Principalmente o sangue dos outros. Uma das “lendas” da Legalidade – contam que Brizola, sob a iminência de ataque aéreo e das tropas descidas principalmente no centro do país, recebeu o compromisso da Brigada Militar em enfrentar quem quisesse fazer qualquer mal aos rio-grandenses.

Crônicas & Agudas

Certas pessoas olham o “seu lado”. Muitos desafiam qualquer autoridade. Nas últimas décadas vimos lamentavelmente organizações com cores partidárias e vestimentas ideológicas fazerem greves, badernas, invasões e enfrentamentos prejudicando o todo, todos os lados. O manto da legalidade de um sindicato, uma ONG ou certos “movimentos sociais” mantém uma orquestração macabra de descrédito e demonização da Brigada Militar. Lembrem do brigadiano degolado, assassinado na avenida Borges de Medeiros numa dessas “manifestações”. Ali há algum monumento ao herói imolado pela fúria? Há professores que mostram publicamente essa sanha. Transmitem essa virulência aos alunos? Esse mesmo viés defeituoso se estabelece com formadores de opinião de toda ordem, como jornalistas, médicos e religiosos, por exemplo.

Cr & Ag

A Brigada prende, mas eles logo estarão soltos! ” – Toada dolorosa. O aguerrido viamonense e jornalista Rogerio Mendelski, em seu programa na Rádio Guaíba revela ensinamentos primorosos atribuídos ao Desembargador Irineu Mariani. “Bons juízes consertam leis ruins, maus juízes destroem boas leis”, ou algo equivalente.  A Brigada Militar faz aquilo que é do seu ofício sob todas as adversidades. Políticos identificados com a criminalidade (agora intestinamente contra Sérgio Moro e o Ministério Público Federal de Curitiba) aliam-se a falanges de “direitos humanos”. Direitos dos mais malignos e tortos da sociedade. Esses simpatizarão com a Brigada?

Cr & Ag

O corpo do brigadiano, repito, é a fronteira final, a última trincheira, a derradeira paliçada entre nós e a criminalidade conhecida e travestida. A maioria é “depois”, na delegacia ou na justiça que sempre tarda. Investigadores da Polícia Civil lamentam seu trabalho de risco desperdiçado pelas “solturas e frouxidão”. Precisamos mudar esse paradigma sinistro de desqualificar e atacar essa instituição. Precisamos de comandantes despidos da ideologia canhestra e sejam mais participativos da linha de frente com seus subordinados. Levemos os brigadianos para o dia a dia das pessoas, para dentro das escolas, como havia no longínquo Grupo Escolar Setembrina do meu tempo e das festas da civilidade. Precisamos do Brigadiano nas ruas auxiliando a mãe com o filho ou o idoso a varar uma rua de insanos ao volante. Precisamos do brigadiano também fora do combate aos criminosos para serem vistos e sentidos. E respeitados e admirados pela população. Também depende de cada um de nós cidadãos que trabalhamos e pagamos as contas (e as roubalheiras) fazer a Brigada Militar ser realmente a imagem viva da bandeira gaúcha.

http://www.edsonolimpio.com.br

Panetone com gosto de Fel! – Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas – 20 Dezembro 2016.

 

2016 – 12 – 20 Dezembro – Panetone com gosto de Fel – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

Panetone com gosto de Fel!

 

Presentearam-me com um belo, perfumado e saboroso panetone. Massa leve com a umidade adequada e recheado com um musse de chocolate meio amargo. A cremosidade e o delicioso sabor se misturava com fragrâncias que somente são exaladas quando é feito com gosto, satisfação e amor. E carrega toda a cordialidade, amizade e o mesmo amor da alma que o presenteia. Ao retirar da embalagem festiva e expor sua formosura, um tempo embala-nos em sintonia com essas magnifícas vibrações que faz um universo de tantos dissabores arrefeceram para o lampejar da vida que se expande. Somos seres que velozmente deixamos essa vovó encarquilhada para trás. Ou talvez o seu plano, mais que secundário, fique com o bolor dos restos natalinos ou sufocado sob escombros de presentes caros e muitos voláteis. A Gratidão é a avó dos mais belos e visíveis sentimentos e talvez por ser tão longeva, idosa dos tempos iniciais seja como a maioria dos idosos – colocado em algum lugar e eventualmente lembrada.

Crônicas & Agudas

Eis que senti um amargor e um arrepio subindo pela mandíbula esquerda, espraiando-se pela orelha e refletindo no olho que teimava em tremer. Uma lágrima. Duas lágrimas. Várias lágrimas. Juntou-se ao aluvião uma sequência de imagens e lembranças. Os neurônios racionais reúnem-se em formação de combate, em ordem unida bradam das belezas do Natal e que se aproveite tudo, do sino e das renas ao Noel. Noel que não é da Rosa, mas sempre é música em todo o mundo. A Emoção trazia a musicalidade para enfrentar a Razão com suas armas e argumentos afiados. A ninja Negação perdeu-se na escuridão e nas sombras da Realidade. A Tristeza gritava “help” se afogando nas grossas lágrimas.

Cr & Ag

Sei lá quanto tempo durou esse embate. Foi um tempo em que a Reflexão sentou-se com o Entendimento e iniciaram uma negociação. O Fel do panetone ainda estava ali. Queimante. Ardente. Doloroso. O Entendimento olhou profundamente na alma da bela Reflexão e suas vozes ecoaram numa simultaneidade não planejada por eles e por alguém da plateia e dos combatentes. Como se uma onda de sincronia colocava todos numa grande sinfonia: – Tragam Ele! Busquem Ele! Somente Ele tem a solução! Ele é a resposta e a solução, gritaram com a força dos pulmões de renascidos e de eternos degladiantes.

Cr & Ag

Um silêncio quase absoluto, pois o Coração ansiava em retornar a sua cadência e as fibras se distensionavam e vibravam agora como as cordas mágicas de um violino angelical. Não havia mais nenhum sabor. Nada do Fel! Nada de sabor nenhum. Seria como no olho do furacão? Logo uma tímida Luz aproximou-se. E suas irmãs mais luminosas amparavam o Sol I. O primeiro, aquele que afastou as Trevas e dissipou as Sombras mais densas tanto do Universo como das mais encardidas almas. E um jovem se aproximou. Desculpe, é um menino! A Luz está cada vez mais intensa e tranquilizadora. É um Menino, é um Jovem, mas também é um Homem Jovem. Transmuta-se aos nossos sentidos e aos nossos sentimentos. Todos o conhecem. Sempre. É o Amor! Ele é o Amor!

Em várias épocas e em várias civilizações Chamaram-No por diversos nomes, como Buda e Cristo. E muitos usaram e usam seu nome para que o Fel continue a queimar e as lágrimas inundem as terras e sufoquem as pessoas e os povos. Ele está aqui. Sempre esteve. Espera que nossos conflitos não impeçam a sua presença e que sejam apaziguados com ela. Que panetones simbólicas, mas de Luz real e intensa vertam de nossos corações e almas levando-O, levando Amor para todas as pessoas, para a Natureza e seus filhos.

http://www.edsonolimpio.com.br

Brigada Militar: Alma de Gaúcho! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião de Viamão. 13 Dezembro 2016

 

2016 – 12 – 13 Dezembro – Brigada Militar: Alma de Gaúcho – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

Brigada Militar: Alma de Gaúcho!

Vivemos tempos sombrios em que a marginalidade encontra eco e apoio naquilo que vários jornalistas denunciam a vários anos como “mídia amiga”. Formadores de opinião e principalmente jornalistas de grandes empresas tem acossado a polícia em seus espaços jornalísticos. E quando agridem a polícia, atacam principalmente a Brigada Militar. Sem nenhum desmerecimento às demais corporações policiais e às polícias militares, a Brigada Militar é algo mais, algo maior que habita o cerne do povo rio-grandense. Além de ser uma organização centenária que todo o cidadão deve ver e sentir que ali está alguém para lhe proteger e amparar. A submissão de alguns comandantes à ideologia canhestra e retrógrada, como inclusive nas forças armadas, denegriu e levou a corporação a um sentimento de baixa estima e muitos brigadianos tem dificuldade em identificar-se como tal. Observam aqueles jornalistas que abusam de “movimentos sociais, militantes, estudantes, ocupantes, camponeses, comunidade e presidente de Cuba”. Insistem em transformar e adulterar a força da lei com a lei da força. Sempre irão acusar a Brigada de “força excessiva” e darão grande espaço aos “líderes comunitários” ou aos familiares de criminosos.

Crônicas & Agudas

Esse jogo tem que virar a nosso favor. Até aqui estamos sendo caçados pelos marginais. Nossas escolas são invadidas e nossos estudantes nem estudar podem. Vias são trancadas por “movimentos sociais” e somos impedidos de trabalhar ou simplesmente de circular – ir e vir! Mesmo com determinação judicial nas esdrúxulas “reintegrações de posse” os invasores recebem prazos abusivos de desocupação. O que somente fazem se quiserem, pois ali estará um marginal solicitando a presença da imprensa “amiga”. Deve partir dos comandantes e do povo rio-grandense essa visão realista da Brigada Militar. Sabemos que a corporação tenta se purificar e filtrar na seleção e treinamento de seus brigadianos. Mas há que haver mais empenho de todos. O brigadiano deve orgulhar-se de seu papel social inestimável que sempre foi do policiamento, da manutenção da ordem sob as mais frágeis circunstâncias, da presença nas maiores calamidades à mão e coração aberto para amparar aquela gestante que parteja seu filho numa viatura da Brigada Militar.

Cr & Ag

Há desfibrados entregar-nos à barbárie e ao que de pior as sociedades produzem. Essas criaturas ou algumas delas são partidários da destruição da sociedade para um “novo renascimento”. Falso e comprovadamente falho e sinistro onde foi aplicado. O brigadiano deve saber que a sua farda, antes com a cor da terra ou do céu ao sol gaúcho, é a bandeira do Rio Grande do Sul, um estado do Brasil que por sua opção continuou brasileiro e que ali estiveram e estão gaúchos nobres que derramam seu sangue e entregam suas vidas diuturnamente pelo nosso povo. Brigadianos saem em patrulha se despedindo de seus filhos e talvez dando o último abraço em suas esposas sem nenhuma certeza de retorno ao lar. E a cruel certeza que sua família será muitas vezes desamparada pelo Estado que tomou sua vida.

Cr & Ag

Dolorosamente assistimos cidadãos obsidiados ou desorientados acusarem à Brigada. Algum dia eles ou algum familiar estará na sanha maligna dos criminosos e talvez aí a Brigada lhe faça falta. E velha sabedoria popular da pimenta em olho alheio vai nessa trilha insana. Estamos desprotegidos e encurralados. Execram que nos defendamos. Apoiemos aos brigadianos e que seus comandantes jamais permitam que seus comandados ou eles próprios sejam manipulados pela política suja ou de ideologia sinistra e olhem para cada cidadão honesto desse Estado como a sua missão e nós honremos suas famílias e quem nos protege e ampara. E expurguemos o joio. A Brigada Militar está na alma do gaúcho honesto, trabalhador e guerreiro!

http://www.edsonolimpio.com.br

E o Natal vem aí! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião. 06 Dezembro 2016.

 

2016 – 12 – 06 Dezembro – E o Natal vem aí – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

E o Natal vem aí!

Pessimismo ou otimismo? Algo muda para mais ou para menos dependendo da nossa vontade e atitude? Ou esse companheiro, alheio às nossas necessidades, continua sua trilha com a vontade dos milênios na sua retaguarda? Quem? O tempo! O tempo. A nossa humanidade nos acode e nos sacode. Tempos difíceis no Rio Grande de São Pedro. Estado de calamidade? Ou que nome daremos para essa situação que além de constrangedora para os brios gaúchos é mais que assustadora para todos aqueles que dependem do salário que o Estado paga. E o Natal vem aí… galopeando com suas renas e embalado por algum vento Minuano meio extemporâneo. E os cidadãos olham para suas contas, de ‘revesgueio’ tangencia a geladeira e a mesa da cozinha. Mas nada é tão ruim que ainda não possa piorar – eis que os filhos chegam da escola onde tiveram ou não aulas. Qual a sua aposta?

Crônicas & Agudas

Os filhos, como qualquer criança que ainda teima em ser criança, trazem uma algazarra de alegria que somente os inocentes desfrutam. Ou mais alguém? E ele ou ela sentem que o Natal vem aí numa lágrima incontida e vertida pela impotência real do trabalhador que trabalha. Pensa – como chegamos a essa situação? Há culpados? O rádio anuncia que o Colorado planeja uma campanha reabilitadora na Segundona e escuta uma entrevista em que o cara fala de ‘sorte e azar, de juízes que erraram contra o Inter e outros senões do acaso da silva’. Como chegamos nessa situação? Tem vontade de mandar os filhos se calarem ou irem brincar na pracinha. Treme! Mataram três na pracinha a umas duas noites e… Eles, seus filhos, são os únicos inocentes que continuam inocentes.

Cr & Ag

Ele tem fé. Ela tem fé. Uma prece interrompida e pensa: – A lei é igual para todos. Isso tá escrito na constituição. E está na sua fé assim como o sol nasceu para todos. O sol e a lua são para todos. Um solavanco no peito. – Tá faltando gás! Acabou o resto do último tubo. E agora? Engasga-se com a própria saliva. Tosse convulsiva que se tivesse tomado o café da manhã e colocado algo para dentro no almoço, talvez regurgitasse. Mas o Natal vem aí! As coisas vão melhorar afinal é uma pessoa honesta, cumpre horários a mais, não coloca atestados frios nem se escamoteia no serviço e está ali por concurso público vencido por seu estudo e competência. Sempre se orgulhou pelo seu trabalho público e mostrava o raso contracheque nos crediários. Agora…

Cr & Ag

O vizinho, aposentado no INSS, sempre lhe dizia que tem alguns brasileiros mais brasileiros que os outros. Ria respeitosamente, vendo a vida daquele vizinho piorar ano a ano. Como se a previdência a qual contribuíra quarenta anos estivesse com uma guilhotina lhe amputando partes do corpo. Nunca entendeu bem a situação e trabalhava tanto que nunca teve muito tempo para pensar que… há vários tipos, modelos e anos de brasileiros. Assim como os veículos nas ruas. Desde o fusquinha 1963 tipo frankestein até o carro que nem sabe pronunciar o nome que ele pensava ser de jogador de futebol, talvez algum mafioso, quem sabe algum desses enredados na Lava-Jato e logo descobre que pode ser de algum ‘colega marajá’ do ‘emprego público’. E o Natal vem aí para eles também! – Seria o mesmo Noel e as mesmas renas? – engasga-se novamente.

O tempo jamais esconde a realidade. Isso é coisa de gente. É coisa nossa. Dolorido e brutal, mas nossa responsabilidade. – Algum dia a ficha cai! E caíu pra mim! – olhando para os filhos e sabendo que… o Natal vem aí.

http://www.edsonolimpio.com.br

Você tem a resposta e a solução? Edson Olimpio Oliveira – Crônicas & Agudas. 29 Novembro 2016.

2016 – 11 – 29 Novembro – Você tem a resposta e a solução – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião de Viamão

http://www.edsonolimpio.com.br

Você tem a resposta e a solução?

Vivemos tempos de radicalização! Corremos o risco de sermos linchados por criaturas de todos os graus ao expressar alguma ideia até incompleta, iniciar uma conversa, escrever algo, opinar sobre a pulga da cueca de Sócrates ou algo mais simples. A leitura atenta e a audição pacífica são fenômenos extemporâneos. A bipolaridade infesta e devasta assustadoramente. Pessoas tranquilas serrilham os dentes. Os tradicionais ‘orra loucas’ estão com a faca entre os dentes. Bipolaridade viral? E dizia-se que o gaúcho é era bipolar: Inter e Grêmio (“por que o Grêmio depois? ”), macho e fêmea, inverno e verão e a trilha é longa! Criaturas valem-se do grupo, da matilha, para atacarem nas praias, cidades e redes sociais. Selecione alguns títulos da imprensa e observe. “Trump vai acabar… com isso e aquilo e é contra as pessoas”. “PEC tal vai acabar com a educação”. “As cadeias brasileiras não recuperam e são desumanas”. “A Polícia Militar executou jovem da comunidade”. Experimente fazer uma lista e discuta consigo mesmo um certo tempo. E repita o exercício mais de três vezes em dias diversos. E seja também o ‘advogado do Diabo’.

Crônicas & Agudas

Em algum lugar do planeta um negro, muçulmano e filho de estrangeiro iria governar pelo voto a maior potência do mundo? Somente na América? Tanto de ruim na América, mas grande parte do mundo, inclusive os ferrenhos comunistas brasileiros, gostariam de lá viver? Obama fez o que quis e Trump fará o que quiser? Os mecanismos constitucionais e da origem de seu povo fez a nação invejada que é? A educação brasileira melhorou seus indicadores de qualidade com todo o aumento de verbas e vinculações constitucionais dos últimos governos? Ou somente piorou e estamos na rabeira mundial até contra simplórias economias do planeta? O gargalo está no salário dos ‘trabalhadores em educação’ ou na qualidade e formação e ideologia dos professores? A indisciplina e liberdade abusiva e impune de alunos contra os estudantes é importante?

Cr & Ag

Um país com maravilhosos postos de saúde e maravilhosos e abundantes hospitais e seu povo com maravilhoso atendimento de saúde teria maravilhosas prisões? Ou as prisões são o reflexo de governantes canalhas e políticos corruptos eleitos e mantidos pelo “voto dos outros” como os condenados na Lava-Jato e outros em crescente investigação? Prisão deve ser lúdica ou lugar de punição? Deus criou o Inferno ou lá é o território de Belzebu e para lá vão os anjos da comunidade e os injustiçados da sociedade de consumo? Assassino contumaz, estuprador em série, ladrões de folha quilométrica entre outros das mesmas espécies deixarão de ser feras ou aumentarão seu poder e força ao não encontrarem adversários eficazes? Bullying – aumenta ou diminui quando o autor enfrenta ou ataca quem pode se defender ou oferece resposta adequada?

Cr & Ag

Quantos policiais morrem ou ficam inválidos defendendo os honestos contra ‘membros da comunidade e bons filhos’ que fariam inveja aos demônios dos quintos dos infernos pela sua essência maligna e agressiva? A erradicação física em combate de criminosos é viável ou prefere a morte ou invalidez do policial? Sua casa foi pichada por um artista urbano? A culpa é de quem reagiu e o assassino é a vítima da sociedade capitalista? Desarmar a sociedade honesta e obrigar-lhe a jamais reagir diminuiu ou melhorou os índices de criminalidade e o morticínio de honestos? A indústria dos pardais e radares arrecadando nas estradas diminuíram as mortes e os acidentes de trânsito? Os governantes são honestos e cuidam de nós e podemos tomar leite, por exemplo, sem nenhum constrangimento e todos os medicamentos contém exatamente o que anunciam e eficazes, como todos os homens e mulheres são iguais aos seus similares e genéricos? Nessa singela crônica estimulamos que o leitor faça o que tantos não fazem ou fazem mal. Boa empreitada! Repito – jamais generalizamos! Exercite-se com outras manchetes!

http://www.edsonolimpio.com.br

 

Entradas Mais Antigas Anteriores