A Criança como Escudo Humano! Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião. 04 Julho 2017.

 

2017 – 07 – 04 Julho – A Criança como Escudo Humano – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

A Criança como Escudo Humano!

N

ão me causa nenhuma estranheza pessoas cultas, até com diploma universitário, usem mais a emoção do que a razão e o bom senso em seus julgamentos ou colocações. É da vida, mas há um novo tempo para realinhar ideias e não se permitir cair no engodo repetido. Principalmente depois da Revolução Industrial iniciada na Inglaterra no final do século XIX, as crianças seriam vistas como seres humanos a proteger e não seres descartáveis ou usados em condições cruéis de trabalho ou de vida. Estamos no século XXI, as legislações protegem as crianças em todos os horizontes, no entanto, as crianças são vítimas de abuso sexual, por exemplo, na maioria absoluta das vezes, dentro dos seus lares e por pessoas que as deveriam proteger e amar. Assombra-nos o infanticídio cometidos pelos “povos da floresta”. Sofremos com crianças sendo capturadas e doutrinadas à força pela guerrilha assassina na África e no Oriente Médio. A dor explode com as crianças bombas. Na crônica anterior, “O policial também é um filho de Deus!”, expomos diversos questionamentos sem respostas, como pela presença física de crianças na desocupação de prédio invadido em Porto Alegre, capital gaúcha.

Crônicas & Agudas

Qualquer animal na natureza esconde seus filhotes na mais protegida toca quando vai à caça ou quando o combate é iminente. É normal e esperado proteger os filhotes. O Homo sapiens (“homem sábio”) sempre procede assim? Açulados por sindicatos, sabe-se de professores incitarem alunos (filhos dos outros!) para o campo minado das reclamações e do enfrentamento desejado. Sabe-se a estratégia de luta de movimentos, como da interminável reforma agrária, usarem crianças e mulheres em suas manifestações com foices e facões. Assaltantes de banco usam rotineiramente tapumes humanos (filhos e familiares dos outros) para se protegerem durante assaltos com feroz violência. Entretanto, desconhecemos as violentas torcidas organizadas se enfrentarem e seus membros levarem seus filhos para o combate. Jamais vimos um policial civil levar seu filho para executar um mandato judicial. Tampouco algum policial militar levar filhos e esposa para um enfrentamento qualquer. E você levaria seu filho? Onde estão as diferenças?

Cr & Ag

A imensa maioria das pessoas inteligentes e não comprometidas com invasores sentem dor pelas “crianças na noite fria de inverno, num horário inadequado”. Qualquer pessoa normal sentirá dor com crianças em risco. Lembrem – até os animais, ditos irracionais, protegem seus filhotes. Se você pai ou mãe, avô ou avó, enfim responsável por uma criança que terá o local onde vive em risco, fará o que? Certamente respondeu – proteger as crianças, afastá-las da luta! Não foi isso que aconteceu. Mais de dois anos de negociações judiciais sem acordos com os invasores. Desocupação previamente anunciada e determinada pela Justiça depois de recursos. Se eu ou você estamos naquele prédio e sabemos, pois ninguém desconhecia a ordem judicial de desocupação, e queremos lutar por “nossos direitos” (mesmo contra a lei), faremos o que? Primeiro é afastar e proteger crianças da área de conflito e de combate premeditado. Se você escolhe deixar seus filhos na linha de batalha a responsabilidade é sua ou é do Estado, ou sociedade? A orquestração, a estratégia de combate, exige vítimas inocentes, até mártires, crianças de preferência? Usa-se a emoção das pessoas e da opinião pública, já manipulada por jornalistas da mesma cor ideológica, para demonizar a polícia e satanizar o governo. E aumentar o “sentimento de culpa da sociedade” pelos necessitados do momento. Mais manipulação! Ainda – mentores maquiavélicos, ao usarem crianças na luta, estarão fabricando futuros guerreiros de ódio forjado contra as instituições democráticas, lembre exemplos.

Afora isso, os mesmos responsáveis mantinham essas crianças, se todas forem dali e não carreadas de outros lugares, em quais condições de vida? Pense! Jamais se deixe iludir por mitos criados, mantidos e vendidos. Como os que nos levaram a um país com a maior crise econômica e moral da sua história e talvez entre os povos ditos civilizados, entre essas hordas que defendem criminosos e seus interesses contra os cidadãos que trabalham e contribuem dentro das leis, arcando com o custo da corrupção institucional e metastática.

GABIRU – A Glória Máxima! Série Meu Sangue É Vermelho; Meu Coração é Colorado!

 

Inter 33 - Gabiru - 2017

Fumo Zero! Série 12

 

Fumo 12 - 2017

Guerreiras Coloradas! Série 4 – Meu Sangue é Vermelho; Meu Coração é Colorado!

 

Inter 4 - Coloradas Guerreiras - No Colorado não lugar para Covardes e Omissos - 2016-17

A Vida! Série 1

Vida 1 - 2017

Imagem

Baseado em Pessoas Reais – Sabrina Dalbelo – 2017 – 07– Li e Recomendo!

 

Baseado em Pessoas Reais - Sabrina Dalbelo - 2017 - 07

O Policial também é um Filho de Deus! – Edson Olimpio Oliveira. Crônicas & Agudas. Jornal Opinião. 27 Junho 2017.

 

2017 – 06 – 27 Junho – O Policial também é um Filho de Deus – EDS OLIMPIO – Crônicas & Agudas – Jornal Opinião

http://www.edsonolimpio.com.br

O Policial também é um Filho de Deus!

C

ausa estranheza a afirmação do título? Ou você é da espécie que acredita e prega que o policial, civil ou militar, seja um filho ou um enviado do Diabo para atormentar as pessoas? Hoje, dia 23 de junho, pela manhã, o rádio informa da morte de um policial civil de 39 anos de idade com um balaço na cabeça durante uma operação de rotina com ordem judicial na casa de traficantes de drogas aqui em Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre. Esse homem, no fiel cumprimento de seu dever de proteger a sociedade, morreu nos braços da sua esposa, que também é policial civil e estava na mesma operação. Os policiais teriam sido recebidos à bala por cinco traficantes enquanto apresentavam o mandato judicial para a mulher que abriu a porta. Outro cidadão, mais um policial em defesa da sociedade honesta, onde segmentos não merecem viver livremente nessa sociedade, morre brutalmente. Durante essa manhã, não escutei nada além da crua notícia jornalística. Se fosse o contrário? Estaríamos crivados de “direitos humanos”, socialistas, movimentos sociais, parlamentares identificados e amantes de criminosos exigindo a imolação em praça pública do policial que “matou” o criminoso e “contra a violência policial”. Há pichações que pregam “policial bom é policial morto”. É a degradação absoluta da lei, da moral e da ética.

Crônicas & Agudas

É alarmante, em comparação com outras polícias no planeta, a matança de policiais no Brasil. Há jornalistas de visão tubular ou mente estreita, deformados pela lavagem cerebral durante a universidade ou adeptos da ideologia que visa destruir a família? São peças cruciais nessa rotina fatal? Jamais generalizo e basta escutar, ver e sentir que você verá a diferença entre o joio e o trigo. Ainda ferve na mídia o episódio da desocupação dos invasores no prédio público no Centro de Porto Alegre. Observam “violência policial”, “horário impróprio”, “crianças no local”, “noite fria”, “deputado do PT é detido” e outros eteceteras. Ninguém desdenha da necessidade de moradia digna para todo o cidadão e das crianças no local.  E o respeito às leis? Observe outras facetas não abordadas adequadamente: dois anos de negociações com os invasores sem que nenhuma alternativa a Justiça encontrasse para que saíssem espontaneamente do prédio; qual o currículo das criaturas invasoras, seu passado ou sua ficha policial? Certamente não eram somente seres angelicais que ali se acantonaram. Essas crianças eram filhos reais dos invasores ou trazidos de outros locais – fato conhecido em outros “movimentos sociais”? Se eram familiares, em que condições viviam? Ambiente promíscuo? Drogados, traficantes, ladrões? Com a anunciada judicialmente desocupação por que eram ali mantidas se já planejavam o enfrentamento físico? Outras perguntas estão penduradas no gancho sombrio da eterna partidarização e da ideologia, ansiando respostas reais e moralmente éticas.

Cr & Ag

Alguém é tão inocente que jamais viu ou soube do uso de crianças ou mulheres como escudos humanos? E não se precisa viajar ao Estado Islâmico – Isis, veja os assaltos à banco no Estado. A responsabilidade principal de expor menores às condições adversas ou insalubres é de quem prioritariamente? Dos pais e responsáveis ou de nós? Qualquer desocupação, retirada de invasores refratária a acordos é sempre pacífica ou há violência calculada, premeditada e talvez estimulada? Pense. Raciocine. Responda para si, pelo menos. Os invasores sempre usarão todos os meios materiais ou psicológicos e reagirão sempre. Qual a colaboração efetiva do humanista deputado (único no local?) durante os dois anos de negociação, buscou soluções reais e novas moradias, qual a sua atividade real durante o tempo de invasão e não somente na desocupação? Escudado no crachá de deputado pode obstruir e tentar impedir uma ordem judicial previamente conhecida e sabida? Ou a separação e respeito entre os poderes republicanos somente vale para os outros? Tantas dúvidas mais! E as respostas?

Novamente satanizaram a polícia. Demonizaram a Brigada Militar. Esse jogo é sempre executado com a conivência da ignorância ou com a participação ativa dos interesses malignos das facções que mergulharem o Brasil na pior crise da sua história? Talvez alguns preferissem os métodos de Fidel Castro, a “ponderação” do venezuelano Maduro ou a “complacência do imperador” da Coreia do Norte? Acredite – o policial é e sempre foi um filho de Deus como você e eu!

Entradas Mais Antigas Anteriores Próxima Entradas mais recentes